tempo.pt

A descoberta de uma vida: um dente de megalodonte!

A descoberta de um resto de um animal extinto, por si só, pode ser um motivo de interesse, contudo, em certas condições e para certos indivíduos, pode ser o acontecimento de uma vida. Fique a saber mais sobre esta temática, connosco!

Dentes; megalodonte
Dois dos mais de 200 dentes que compunham os maxilares do megalodonte. Estes dentes são significativamente maiores se comparados com os dentes de tubarão-branco.

Na manhã do último dia de Natal, 25 de dezembro de 2022, uma menina de apenas 9 anos de idade chamada Molly Sampson, encontrou um dente de megalodonte numa praia do estado do Maryland (Calvert Beach), na costa leste dos Estados Unidos da América, junto à comunidade de Prince Frederik, muito próxima da capital do país, Washington D.C..

O megalodonte é uma espécie extinta de tubarão, que percorreu os oceanos do planeta Terra entre aproximadamente 19,8 e 2,6 milhões de anos atrás, durante o período Terciário da era Cenozoica. Sabe-se que o megalodonte é a maior espécie de tubarão que alguma vez existiu nos oceanos, sendo que os grandes tubarões-brancos são seus descendentes (e podem ter colaborado para a sua extinção).

(...) o contacto com a natureza e a exploração do ambiente natural podem e devem ser encaradas como momentos de aprendizagem válidos, na formação de jovens (...)

Para que se tenha uma ideia da dimensão do megalodonte, este era em média 3 vezes mais comprido que o tubarão-branco, podendo chegar aos 18 metros de comprimento (o seu tamanho médio cifrava-se nos 15 metros). O peso deste animal podia variar entre as 40 e as 60 toneladas. A boca destes predadores temíveis estava equipada com 276 dentes, ideais para rasgar a pele das suas presas, que consistiam em baleias, golfinhos, outros tubarões e peixes de grande porte.

O dente de megalodonte encontrado por esta jovem exploradora media aproximadamente 13 centímetros. Como todos os tubarões, esta besta oceânica não tinha um esqueleto ósseo, pelo que nunca foi encontrado um fóssil deste animal. Assim, todos os dados de tamanho e peso são apenas estimativas, tendo em conta o tamanho dos dentes que são descobertos um pouco por todo o planeta.

O que tem de especial esta descoberta?

Em primeiro lugar, é importante salientar que esta descoberta foi feita por uma menina que frequenta o 4.º ano de escolaridade e que já tem um interesse muito grande na temática dos fósseis, que lhe foi transmitido pelo seu progenitor. Já é habitual para esta jovem passar várias horas do seu fim de semana ao ar livre, a vasculhar as praias do estado do Maryland à procura destes pedaços de história natural.

O amor pela natureza e pela exploração ao ar livre é tanto que a menina recebeu como prenda de Natal um equipamento próprio que permite caminhar dentro de água, mesmo com temperaturas baixas (fato e botas de borracha). Foi precisamente com este equipamento que na manhã de Natal, com água pelos joelhos, retirou da Baía de Chesapeake um exemplar de um dente, em excelente estado de conservação, diretamente para o Calvert Marine Museum.

Outro indicador relevante para esta história é o local onde foi encontrado este dente gigante, o Calvert Cliffs State Park. Este parque, junto à Baía de Chesapeake, é conhecido por ser um local onde são descobertos fósseis com muita regularidade. Contudo, especialistas locais indicam que são descobertos apenas 5 a 6 dentes deste tamanho, por ano, naquela região. Os mesmos especialistas afirmam que “existem pessoas que podem passar a vida inteira sem encontrar um dente” daquele tamanho.

Numa altura em que se verifica uma crescente dependência dos jovens de tenra idade por equipamentos eletrónicos e redes sociais, esta é uma prova que o contacto com a natureza e a exploração do ambiente natural podem e devem ser encaradas como momentos de aprendizagem válidos, na formação de jovens, que serão futuros cidadãos mais conscientes.