tempo.pt

Fóssil encontrado em P.E.I. pode ter 300 milhões de anos de idade

Uma professora de uma escola em Prince Edward Island (P.E.I), província marítima do leste do Canadá, fez a descoberta de uma vida após tropeçar num fóssil que poderá ter 300 milhões de anos de idade. Saiba mais aqui!

exemplo de fóssil
O fóssil encontrado parece ser de perto do fim do período Carbónico ou do início do período Pérmico.

Lisa Cormier estava a passear o seu cão por um caminho familiar na praia do Cabo Egmont, (Ilha do Príncipe Eduardo ou Prince Edward Island (P.E.I., siglas em inglês)), no mês passado, à procura de vidro do mar quando viu o que pareciam ser ramos entrelaçados.

Um olhar mais atento revelou algo muito mais chocante - costelas com mais de meio metro de comprimento, uma espinha e um crânio enterrados na terra vermelha característica da Ilha do Príncipe Eduardo.

"Um fóssil como este surge a cada 50 anos ou 100 anos" - afirma o geólogo e paleontólogo John Calder

Cormier tirou fotografias da sua descoberta para as partilhar com a sua família. Estas foram enviadas a Laura McNeill da Prehistoric Island Tours. McNeill contactou imediatamente Cormier, bem como outros especialistas.

John Calder, geólogo e paleontólogo, foi um deles. Ele disse que o fóssil parece ser de perto do fim do período Carbónico, ou início do período Pérmico, ou seja, cerca de 300 milhões de anos.

O fóssil

Calder, que escreveu um livro sobre o património geológico de P.E.I., disse que um achado como este é "extremamente raro". "Um fóssil como este surge de 50 em 50 anos ou a cada 100 anos", disse ele.

"Não há uma frequência real, mas é raro. E isto poderia ser um fóssil único na árvore da vida... da evolução dos anfíbios, dos répteis, dos mamíferos, para nós". O fóssil não foi identificado, mas Calder disse que é provavelmente um réptil ou pelo menos um parente muito próximo.

fóssil PEI
O fóssil aparenta ter 300 milhões de anos. Créditos: Laura McNeill

O período Carbónico foi um período de intenso aquecimento global, de acordo com Calder. "As florestas tropicais e as zonas húmidas da Idade do Carvão entraram em colapso devido ao calor intenso e à secagem", afirmou.

Apenas algumas criaturas como os répteis, que põem os seus ovos fora de água, foram favorecidas para sobreviver, acrescentou. "E este é o período em que a maior parte das rochas da P.E.I. se afundam, no início do Pérmico", disse.

O pessoal da Parks Canada deslocou cuidadosamente o fóssil do seu local de descoberta para uma instalação de Greenwich que tem funcionado como um repositório paleontológico. Contudo, Calder afirma que o fóssil não vai ficar lá durante muito tempo, pois precisa de ser transportado para um laboratório de paleontologia para ser visto por especialistas.