tempo.pt

O terramoto mais forte alguma vez registado na Terra

Passaram 62 anos desde o terramoto mais forte alguma vez registado na história da Humanidade: o Grande Terramoto Chileno de 1960, conhecido também como Terramoto de Valdivia, teve consequências em muitas partes do planeta.

terramoto sismógrafo
Os sismógrafos nunca tinham registado um terramoto tão forte como o de 1960 no Chile.

A 22 de maio de 1960, há 62 anos, ocorreu o terramoto mais forte alguma vez registado com instrumentos na história da Humanidade. Com uma magnitude de Mw 9,5, o mega terramoto de proporções imensas também produziu um tsunami extremamente violento, com ondas de até 25 metros de altura, que se propagou por milhares de quilómetros no oceano Pacífico. O tsunami causou milhares de vítimas no Chile, e dezenas de mortes também em áreas do globo situadas a muitos milhares de quilómetros do epicentro.

O epicentro do terramoto teve lugar ao largo da costa do sul do Chile e o evento é recordado como o "Terramoto de Valdivia" porque danificou gravemente esta cidade. É também recordado como o "grande terramoto do Chile".

O tsunami devastou a costa de Isla Mocha, Chile, depois o maremoto propagou-se por milhares de quilómetros para o oceano Pacífico, chegando ao Havai após cerca de 15 horas, com ondas superiores a 10 metros de altura. O tsunami também alcançou a longínqua Nova Zelândia, onde as ondas atingiram 10 metros, e até o Japão, no lado oposto do Pacífico, a mais de 15.000 quilómetros de distância!

O terramoto de 22 de maio de 1960, de magnitude Mw 9,5 é conhecido como Terramoto de Valdivia, o Grande terramoto do Chile.

Um terramoto de enormes proporções

O número exato de vítimas do Grande terramoto chileno nunca será conhecido, mas as estimativas mais precisas indicam pelo menos três mil mortos, muitos deles causados pelo maremoto. Houve mais de dois milhões de deslocados, e danos enormes. Em comparação com a potência do terramoto, os danos e repercussões foram relativamente reduzidos, se considerarmos que outros terramotos de menor magnitude provocaram centenas de milhares de vítimas.

Muitos fatores desempenham um papel nos danos causados por um terramoto, incluindo a maior ou menor proximidade de áreas habitadas junto do epicentro, a forma como as ondas sísmicas são amplificadas pelo terreno e elementos da geografia local. No caso do terramoto de Valdivia, as áreas mais próximas ao epicentro eram escassamente habitadas.

O terramoto despertou também o vulcão Puyehue, situado na cordilheira dos Andes.

Como dissemos, o terramoto de 1960 foi o mais forte terramoto instrumentalmente registado na história da Humanidade. Isto significa que desde que temos vindo a registar a potência dos terramotos com instrumentos, este foi o terramoto mais forte. Os terramotos são registados com instrumentos chamados sismógrafos.

Magnitude 9,5: quão forte é um terramoto assim?

A magnitude, que indica a energia libertada, é utilizada para expressar a potência de um terramoto. Os terramotos mais pequenos percebidos pelos humanos têm magnitudes muito baixas, cerca de 2,0 (e é preciso estar muito perto do epicentro para os sentir), enquanto que magnitudes superiores a 5,5 podem causar danos significativos.

Um terramoto provoca danos se o epicentro estiver próximo de áreas habitadas ou se houver amplificação das ondas sísmicas, para dar alguns exemplos. A vulnerabilidade das casas e das infraestruturas também pesa muito. Outro fator importante é a profundidade a que o terramoto ocorreu (hipocentro), porque os terramotos muito profundos têm um impacto menor.

terramotos
Os mais fortes terramotos jamais avistados na Terra: o mais forte foi o de 1960 no Chile.

Precisamente porque a grande magnitude nem sempre é sinónimo de devastação, outra forma de medir um terramoto é utilizando a escala de intensidade, que tem em conta os efeitos sobre o ambiente e sobre as coisas construídas pelos humanos. A intensidade de um terramoto é expressa usando a escala Mercalli, mais tarde modificada para a escala MCS (Mercalli-Cancani-Sieberg). Esta vai até ao XII grau: nesse caso, fala-se de destruição total. Um terramoto de magnitude muito elevada em pleno deserto, longe de qualquer cidade, terá muito provavelmente uma intensidade mínima, porque não causará quaisquer danos.

E chegamos à magnitude de um terramoto de magnitude 9,5 como o do Chile. A magnitude é expressa numa escala logarítmica, pelo que cada aumento de um grau corresponde a um aumento de energia de cerca de 30 vezes. Um terramoto de magnitude 7 será 30 vezes mais forte do que um de magnitude 6, e um terramoto de magnitude 8 será 30 vezes mais forte, ou seja 900 vezes mais forte.

O tsunami propagou-se por todo o planeta

A magnitude do terramoto e tsunami de Valdivia deu um forte impulso para a criação de um sistema de alerta precoce em caso de tsunami. Abaixo pode ver a reconstrução de como as ondas do tsunami se propagaram no oceano Pacífico.

O terramoto ocorreu na zona de subducção onde a placa tectónica de Nazca se encontra com a placa da América do Sul, mergulhando debaixo dela na fossa oceânica a uma taxa de quase 10 centímetros por ano (estes são valores muito elevados).

Esta zona de colisão de placas está localizada ao longo de toda a costa do Chile, e insere-se no chamado "Anel de Fogo do Pacífico". O "Anel de Fogo" do Pacífico é a área do planeta onde se concentram 90% dos terramotos que ocorrem no mundo, bem como um enorme número de vulcões, e inclui regiões altamente sísmicas como o Japão, a costa ocidental das Américas, as Aleutas, as ilhas da Indonésia e a Nova Zelândia.

anel fogo pacífico geologia
O "anel de fogo" do Pacífico, onde se concentram 90% dos terramotos do planeta e um enorme número de vulcões.

Terramotos com magnitude superior a 9.0 depois de 1960

O terramoto de 1960 foi o mais poderoso jamais registado pelos humanos, mas houve outros terramotos de magnitude 9 ou superior nas últimas décadas. Estes incluem o terramoto da Sumatra (Indonésia) em 2004, que causou um tsunami que deixou pelo menos 230.000 mortos (uma das maiores catástrofes naturais dos tempos modernos), e o do Japão em 2011, que mais uma vez causou um tsunami assustador que ceifou quase vinte mil vidas.