tempo.pt

Cabos submarinos capazes de detetar sismos e tsunamis? Parece que sim!

É possível que os investigadores utilizem ligações à Internet no fundo do mar para detetar sismos e tsunamis e monitorizar a forma como as alterações climáticas afetam as correntes oceânicas. Como? Contamos-lhe mais aqui!

sismo;
De que forma são os cabos submarinos capazes de detetar atividade sísmica?

O Laboratório Nacional de Física do Reino Unido (NPL) e os seus colaboradores afirmam que este tipo de cabos de telecomunicações (submarinos) poderão ser utilizados como um conjunto maciço de instrumentos científicos do mar profundo.

Os especialistas testaram a tecnologia numa ligação de fibra ótica entre o Reino Unido e o Canadá e explicaram como os cabos submarinos poderiam ajudar a detetar terramotos.

Os resultados do estudo, publicado na revista Science Magazine, estão detalhados em "Optical interferometry-based array of seafloor environmental sensors using a transoceanic submarine cable".

Investigadores afirmam que os cabos submarinos podem detetar sismos

Os investigadores afirmam ter descoberto uma forma de transformar cabos submarinos em sensores do fundo do mar que possam efetivamente detetar terramotos. Eles dizem que a tecnologia de deteção baseada em fibra ótica permite linhas de comunicação submarinas, o que poderá aumentar substancialmente as observações da Terra. Cabos submarinos poderão ser utilizados como sensores do fundo do mar em resultado disto. No entanto, a criatividade ainda não está no auge.

Cabo submarino
Cabo submarino de fibra ótica preso a uma corda na praia de Arrietara, perto da aldeia espanhola basca de Sopelana, a 13 de junho de 2017. O Facebook e a Microsoft juntaram-se para fazer funcionar um cabo submarino gigante apelidado de Marea (maré) que se estende desde a Virgínia nos EUA até Bilbao, Espanha, atravessando cerca de 6.600 quilómetros de oceano. Créditos: Ander Gillenea/AFP via Getty Images

Os sensores do fundo do mar só conseguiram detetar a atividade sísmica que afetou o comprimento total do cabo. Os investigadores acrescentaram que ao utilizar esta tecnologia em cabos de comunicação submarinos existentes, o fundo do mar, na sua maioria não monitorizado, poderia estar equipado com milhares de sensores ambientais permanentes em tempo real sem necessidade de alterações na infraestrutura subaquática.

Como os cabos poderão ser capazes de detetar os tremores de terra

Os cabos de fibra ótica transportam dados através dos mares e oceanos do mundo. Pensa-se que existem mais de 430 cabos em todo o planeta, que cobrem 1,3 milhões de quilómetros. Tanto quanto se sabe, as vibrações, a pressão e as variações de temperatura afetam a velocidade da luz à medida que esta passa pelo cabo com uma quantidade mínima, que os sensores altamente sensíveis podem detetar.

Cientistas afirmam que os sensores baseados em cabos conseguem identificar a "área do epicentro" de um sismo da mesma maneira que os sismómetros baseados em terra conseguem.

Os investigadores utilizaram uma ligação de fibra ótica de 5.860 km da EXA Infrastructure entre Southport em Lancashire e Halifax no Canadá para detetar terramotos, e "sinais oceânicos" como ondas e correntes. Comprimentos individuais de fio entre repetidores - dispositivos que ajudam a melhorar o sinal - foram utilizados como sensores independentes pelos investigadores. Segundo eles, os sensores baseados em cabos submarinos podem identificar a "área do epicentro" de um sismo da mesma forma que os sismómetros baseados em terra podem.

Outras opções com recurso à tecnologia: a monitorização das correntes de águas profundas

Outra opção não comprovada é a utilização de cabos para rastrear como as alterações climáticas afetam as temperaturas do fundo do mar. De acordo com o Dr. Brian Baptie, chefe da divisão de sismologia da Terra do British Geological Survey, esta descoberta pode alterar a capacidade dos cientistas de realizar medições em vastas secções da superfície terrestre onde os métodos tradicionais são impossíveis de empregar.

A maior parte da tecnologia de deteção de terramotos é atualmente construída para utilização em terra, o que implica que só podem cobrir a superfície da Terra acima do nível do mar. Os especialistas estimam que a Terra é cerca de 70% constituída por água. Assim, isto significa que a maior parte da Terra está submersa. Como resultado, as tecnologias convencionais de deteção de atividade sísmica têm capacidades limitadas.