tempo.pt

O louco incidente que poderia ter desencadeado um apocalipse nuclear

Em setembro de 1983, a Terra esteve a um passo de sofrer um apocalipse nuclear, devido a um incrível erro dos sistemas de defesa soviéticos. O reflexo do Sol em algumas nuvens de grande altitude foi interpretado pelos sistemas de alerta como mísseis nucleares americanos que estavam a chegar. Eis a louca e perturbadora história do "Incidente do Equinócio de Outono" e a decisão de Stanislav Petrov.

apocalipse nuclear
Poucos dias depois do equinócio de outono de 1983, esteve prestes a acontecer uma grande catástrofe nuclear.

Na noite de 25 para 26 de setembro de 1983, há quase quarenta anos, a Terra estava a um passo do apocalipse nuclear devido a um incrível erro nos sistemas de alerta soviéticos. Foi logo após o equinócio de outono desse ano, que foi marcado por uma grande tensão entre os Estados Unidos (EUA) e a União Soviética (URSS). Pouco depois da meia noite de 26 de setembro, na sala de comando do Centro de Alerta Antecipado Antinuclear soviético, os alarmes soaram subitamente.

Nos ecrãs apareceu o cenário tão temido por ambas as potências durante décadas, algo que ninguém queria que se tornasse realidade. Segundo o sistema de alerta, os Estados Unidos tinham lançado um ataque nuclear, com mísseis guiados que cairiam rapidamente em território soviético.

Inicialmente, o sistema de defesa russo detetou a presença de um míssil, depois de dois, e finalmente de cinco. Os mísseis balísticos, lançados a partir de solo americano, levariam apenas 20 minutos a chegar à União Soviética, altura em que milhões de pessoas morreriam sob um ataque nuclear muito pior do que o sofrido pelas cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki.

Na noite de 26 de setiembro de 1983 estivemos a um passo do fim do mundo

Nessa dramática noite, estava no comando do centro de alerta soviético o Tenente-Coronel do Exército Vermelho, Stanislav Petrov. Perante este cenário, a sua missão consistia em alertar as altas patentes militares soviéticas do ataque iminente. Após avisá-los, numa questão de minutos, o contra-ataque começaria a partir da URSS, com mísseis nucleares direcionados para o território dos EUA, ou para a Europa.

Havia algo que não batia certo

No entanto, para o Tenente Coronel Petrov, no entanto, algo não batia certo. Não ficou convencido com o número de mísseis lançados pelos EUA. "Quando se inicia uma guerra", disse Petrov mais tarde, falando daquela terrível noite, "não se o faz com apenas cinco mísseis. "Faz-se pouco dano com apenas cinco mísseis". Como é possível que - perguntou-se enquanto soava o alarme - se os Estados Unidos tivessem decidido lançar o grande ataque nuclear contra a União Soviética, o tivessem feito com tão poucas ogivas?

Foi o brilho do sol refletido nas nuvens que provocou um erro nos sistemas de alerta soviéticos.

O Tenente-Coronel não estava convencido, embora não pudesse ter a certeza absoluta de que estava certo. Uma vez tomada a decisão de não fazer soar o alarme, restava apenas uma coisa a fazer: esperar para ver se os mísseis chegariam a solo russo. Mais tarde, Petrov falou de uma intuição que tinha tido naqueles minutos críticos. Uma intuição que provavelmente salvou o planeta e toda a Humanidade.

A intuição de Stanislav Petrov salvou o planeta do apocalipse

A cautela de Petrov face a uma situação de alerta nuclear provavelmente salvou o planeta de um apocalipse nuclear sem precedentes. Se a URSS tivesse ativado os mísseis de resposta, que neste caso teriam sido reais, os Estados Unidos teriam respondido minutos depois e milhares de ogivas nucleares teriam explodido, destruindo provavelmente o planeta e a maioria das formas de vida.

Após um pouco de tensão e suores frios, altura em que o impacto das bombas nucleares no solo já estaria muito próximo, as sirenes pararam de soar e todos os vestígios dos mísseis que chegavam, desapareceram dos ecrãs. Tinha sido um falso alarme de radar. Petrov, com o seu sangue frio, tinha salvo o mundo da catástrofe.

Qual foi a origem deste falso alarme?

Naquela dramática noite de 26 de setembro de 1983, uma série de fatores coincidiu com a posição particular da Terra na sua órbita em torno do Sol nessa época do ano. Por esta razão, o incidente é recordado como o "Incidente do Equinócio do Outono". O sistema de alerta precoce anti-nuclear soviético foi enganado pelo reflexo do Sol nas nuvens que estavam a grande altitude. Uma reflexão favorecida precisamente pelo alinhamento da Terra e do Sol.

Os sistemas de alerta precoce soviéticos baseavam-se numa série de satélites que, tal como os olhos, faziam a partir do espaço scan à área do planeta da qual os mísseis americanos chegariam no caso de um ataque. Estes satélites, a fim de manter um ponto de observação fixo, deslocaram-se ao longo de uma órbita particular chamada Molnyia.

Um alinhamento astronómico e o reflexo em nuvens que estavam a grande altitude quase provocaram o fim da Humanidade.

Os satélites soviéticos, o Sol e a Terra alinharam-se nesse dia (logo após o equinócio de outono, quando os raios solares incidem perpendicularmente no nosso planeta), de modo a criar as condições perfeitas para o acidente. Os raios solares refletidos nas nuvens a grande altitude precisamente na área de onde se supunha que os mísseis americanos viriam, foram interpretados pelo radar como mísseis que se estavam a aproximar, e a partir daí saltou o alarme.

Outro incidente em 1960, nessa vez devido à Lua Cheia

O incidente do equinócio de outono de 1983 não foi o único erro nos sistemas de alerta anti-nuclear, nem foi o primeiro causado por coincidências astronómicas. Também aconteceu a 5 de outubro de 1960 nos Estados Unidos, quando um episódio de lua cheia na Noruega desencadeou um falso alarme que advertia para a chegada de milhares de mísseis soviéticos a solo americano. Também nessa ocasião, felizmente, o falso ataque ficou sem resposta.