IPMA alerta para presença de caravelas portuguesas nas praias

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) deixou o alerta para a presença em toda a costa das chamadas caravelas portuguesas. Tome cuidado!

Lidia Magno Lidia Magno 19 Maio 2019 - 13:28 UTC
Alerta para a presença de caravelas portuguesas nas praias.

É uma espécie marinha venenosa que ao ser tocada pode provocar alergia, dor e queimaduras. Esta espécie de medusa está a aparecer em toda a faixa costeira portuguesa, e levou as autoridades a lançarem um alerta à população para os cuidados a ter.

Esta espécie gelatinosa de nome científico ‘Physalia physalis’ exige muita cautela. Segundo o IPMA, influenciada por ventos e correntes de superfície, a caravela-portuguesa que apresenta um flutuador em forma de “balão” de cor azul e, por vezes de tons lilás e rosa, é frequentemente avistada na costa portuguesa. Os seus tentáculos podem chegar aos 30 metros de comprimento e são muito urticantes, capazes de provocar graves queimaduras.

Por causa destes perigos para a saúde humana, o IPMA alerta que é importante não tocar nos tentáculos, mesmo quando a Caravela portuguesa aparenta estar morta na praia. Em caso de contacto com os tentáculos de uma caravela-portuguesa, a zona afetada deve ser bem limpa com água do mar e devem ser retirados quaisquer pedaços de tentáculos que possam ter ficado presos na pele. Além destes cuidados pode ainda ser aplicado vinagre e bandas quentes, além de ser aconselhado a procurar assistência médica.

Um programa exclusivo para detetar a presença das caravelas na praia

A deteção das caravelas-portuguesas foi feita através do programa de monitorização de organismos gelatinosos na costa continental portuguesa GelAvista, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera. Criado em 2016, o GelAvista tem vindo a envolver os cidadãos para a necessária recolha de informação sobre a ocorrência ou inexistência de organismos de aspeto gelatinoso na costa Portuguesa. Recebe informação sobre a presença de organismos gelatinosos, alertando a população, e transmite informação científica sobre as espécies.

Qualquer ocorrência desta ou de outras espécies de organismos gelatinosos poderá ser comunicada ao programa GelAvista. A informação de cada avistamento (data, local, número de organismos e fotografia com objeto a servir de escala) pode ser enviada para um site do IPMA. Também na página de Facebook do GelAvista são frequentemente partilhadas as mais recentes ocorrências de organismos gelatinosos em Portugal.

Publicidade