tempo.pt

O núcleo da Terra está a ficar desigual e a causa é um mistério

Numa descoberta invulgar, descobriu-se que o núcleo da Terra está a crescer mais rapidamente num lado do planeta do que no outro. Com potenciais consequências para o campo magnético da Terra, as descobertas deixaram os cientistas intrigados.

earth's core
As camadas internas da Terra, com o núcleo de ferro sólido no centro.

O núcleo de ferro sólido no centro da Terra está a tornar-se "desigual", de acordo com novas investigações. Está a crescer 60% mais rapidamente sob a Indonésia do que sob o lado oposto, sob o Brasil. Não é exatamente claro porque é que isto está a acontecer, mas as descobertas ajudam a responder a um mistério diferente com 30 anos.

A investigação foi publicada na revista Nature Geoscience e realizada por uma equipa de sismólogos da Universidade da Califórnia, que se debruçaram sobre as ondas sísmicas que atravessam o núcleo do planeta. Estas ondas representam os tremores causados pelos terramotos, que têm intrigado os cientistas durante décadas devido ao facto de viajarem significativamente mais depressa quando se movem entre os pólos do que quando atravessam o equador.

Esta anomalia é conhecida como anisotropia sísmica - algo que os investigadores não conseguem explicar há mais de 30 anos.

Um fenómeno sísmico

Ao utilizar modelos geodinâmicos para simular o crescimento do núcleo da Terra ao longo dos últimos mil milhões de anos, o novo estudo deu uma resposta. Gradualmente, ao longo do tempo, o núcleo de ferro do planeta está a produzir mais cristais de ferro no seu lado oriental do que no seu lado ocidental. A gravidade iguala este efeito empurrando os cristais de ferro para os pólos norte e sul. Ali, eles tornam-se paralelos aos pólos e facilitam a passagem mais rápida das ondas sísmicas através do núcleo da Terra.

Se o crescimento assimétrico do núcleo interno estiver a afetar a troca de calor dentro da Terra, pode também estar a ter um impacto na força do campo magnético.

"O modelo mais simples parecia um pouco invulgar - que o núcleo interno é assimétrico", disse Daniel Frost, autor principal do estudo. "O lado ocidental parece diferente do lado oriental até ao centro, não apenas no topo do núcleo interno, como alguns têm sugerido. A única forma de explicar isso é por um lado crescer mais rapidamente do que o outro".

Poderá isto afetar o campo magnético da Terra?

Então o que está a causar o desequilíbrio no crescimento do núcleo? De acordo com os investigadores, é difícil dizer, embora possa ter algo a ver com o movimento das placas tectónicas. Uma questão igualmente interessante é como é que o núcleo desigual pode estar a afetar o campo magnético da Terra.

O campo magnético é gerado pelo movimento de calor dentro do núcleo exterior fundido, juntamente com a quantidade de perda de calor do núcleo interno. Se o crescimento assimétrico do núcleo interno estiver a afetar esta troca de calor, pode também estar a ter um impacto na força do campo magnético.

O campo magnético da Terra desempenha um papel importante no desvio do vento solar produzido pelo Sol, protegendo assim a camada de ozono de partículas carregadas que a despojariam lentamente. Sem a camada de ozono, a Terra ficaria exposta a raios ultravioleta muito nocivos, mas haveria também uma maior exposição a partículas carregadas se o campo magnético se enfraquecesse. Isto seria prejudicial às formas de vida, bem como causaria problemas para os satélites na órbita da Terra.