Aumento das turbulências relaciona-se com as alterações climáticas

Neste artigo contamos-lhe o que é o cisalhamento e porque uma recente investigação da Universidade de Reading sugere que uma modificação nesse processo, aumentará os movimentos bruscos durante os vôos.

Martha Llanos Rodríguez Martha Llanos Rodríguez Alfredo Graça 08 Dez. 2019 - 11:46 UTC
En 2018 se registraron 12 millones de pasajeros en 120.000 vuelos diarios, de acuerdo a Aviation: Benefits Beyond Borders. Foto: Viaje Jet
Em 2018 foram registados 12 milhões de passageiros em 120.000 vôos diários, de acordo com Aviation: Benefits Beyond Borders. Foto: Viaje Jet

Os movimentos repentinos e desordenados ao voar, melhor conhecidos como turbulências provocam medo nos passageiros desde os primórdios da aviação. E ainda que os aviões estejam desenhados para suportar estas mudanças bruscas, é provável que no futuro tenham de realizar ajustes para se adaptarem ao espaço aéreo em cenários de alterações climáticas.

O que é o cisalhamento?

Para entender o que é a turbulência, primeiro devemos ter claro o conceito de cisalhamento, também conhecido como windshear. Resumidamente podemos defini-la como uma rápida variação na direção ou velocidade do vento.

Pode ocorrer por diferentes causas, por exemplo, a orografia do lugar ou devido à presença de sistemas meteorológicos como as tempestades, as frentes frias e as correntes de jato ou Jet Stream.

Nos vôos é importante conhecer o cisalhamento do vento, pois, dependendo da altura a que ocorre, eles podem alterar a sua trajetória, além de poderem mudar de velocidade enquanto se deslocam de um ponto para outro na atmosfera.

Las turbulencias de la atmósfera libre suceden cuando chocan masas de aire y no pueden ser detectado a simple vista. Foto: Avantrip
As turbulências da atmosfera livre sucedem quando as massas de ar chocam e não podem ser detetadas a olho nu. Foto: Avantrip

Um artigo publicado na Nature sugere que desde 1979 o cisalhamento na corrente de jato do nível superior do Atlântico Norte aumentou, isto poderá fazer com que as turbulências severas sejam até três vezes mais comuns para 2050-2080, de acordo com uma entrevista ao autor.

Num estudo liderado por Simon H. Lee da Universidade de Reading no Reino Unido, detetou-se que nas últimas décadas a temperatura da superfície do Ártico aumentou, porém, em altitude arrefeceu.

Acreditava-se que a situação anterior equilibrava a velocidade da corrente de jato, um foco bastante tradicional, pelo que para a sua investigação considerou-se analisar o cisalhamento do vento, apercebendo-se que esta aumentou em torno de 15% e que este incremento se atribui à diferença de temperatura.

Considerando que um aumento no cisalhamento intensifica a turbulência na atmosfera livre (ar limpo), os vôos transatlânticos nos próximos anos tenderão a ser mais turbulentos e inclusive modificar o tempo de vôo, dependendo da direção que levam.

O que vai acontecer com os vôos?

Sem dúvida o setor aeronáutico está na vanguarda, consciente que terá de realizar modificações aos desenhos dos seus aviões nos próximos anos. Embora considerando estas evidências, é essencial que também se começem a realizar ações de mitigação perante os efeitos das alterações climáticas, por exemplo, compensação de emissões.

Por enquanto, se você tem medo da turbulência nos vôos, desde a Meteored recordamos-lhe que o transporte aéreo é dos meios mais seguros para viajar, muito mais que o terrestre. Mas se essa informação não for suficiente, recomendamos-lhe que investigue exercícios de respiração para controlar o medo.

Publicidade