tempo.pt

Stromboli, Semeru, Mauna Loa: estão as erupções vulcânicas conectadas?

Do Havai à Indonésia e às ilhas Eólias em Itália, vários vulcões irromperam ao mesmo tempo nos últimos dias. Mauna Loa entrou novamente em erupção após 38 anos, enquanto ontem houve uma explosão em Stromboli. Os fenómenos estão conectados? A atividade solar ou as alterações climáticas estão envolvidas? Aqui estão algumas curiosidades.

erupção vulcânica
Nos últimos dias, várias erupções vulcânicas têm ocorrido em diferentes áreas do mundo.

Nos últimos dias, três erupções vulcânicas diferentes têm feito manchetes em todo o mundo. Há dois dias (4), o vulcão Semeru, localizado no leste da ilha de Java (Indonésia), explodiu, provocando a evacuação de dezenas de pessoas que viviam nas proximidades. A erupção violenta do Semeru gerou grandes fluxos piroclásticos, que felizmente não causaram vítimas.

Algumas horas mais tarde, no outro extremo do mundo, em Itália, no arquipélago das Ilhas Eólias, o vulcão Stromboli voltou às notícias com uma violenta explosão que gerou fluxos piroclásticos particularmente intensos. Um destes, acabando no mar, gerou um tsunami de 1,5 metros que felizmente não afetou as áreas habitadas da ilha. Em Stromboli, as erupções têm sido praticamente contínuas há pelo menos dois mil anos, mas o evento de ontem foi mais violento.

Estas duas erupções ocorreram poucos dias após o despertar do Mauna Loa, o maior vulcão ativo do mundo, localizado no Havai, que tinha estado "adormecido" durante 38 anos. O enorme vulcão-escudo está em erupção nestes dias, e também causou a interrupção das medições de concentração de CO2 no observatório da agência americana NOOA, a National Oceanic and Atmospheric Administration.

O que está a acontecer? As erupções estão conectadas?

Face a esta atividade vulcânica, a pergunta que muitos têm feito é: as erupções estão conectadas? Alguma coisa está a desencadeá-las simultaneamente? A resposta dos geólogos, os cientistas que estudam a Terra, é não.

Os fenómenos destes últimos dias não estão ligados. O facto de estas erupções estarem a acontecer em conjunto é inteiramente coincidente. Além disso, são vulcões muito distantes, alimentados por estruturas completamente diferentes.

As erupções vulcânicas destes últimos dias não têm qualquer relação. Existem pelo menos 50 vulcões ativos no mundo neste momento, e tanto o Stromboli como o Semeru estão ativos há já algum tempo.

Numa escala menor, a erupção do Stromboli e o terramoto que ocorreu ontem de manhã perto das ilhas Eólias, a algumas dezenas de quilómetros do vulcão, também não estão relacionados.

Além disso, Stromboli tem sido um vulcão ativo há pelo menos dois mil anos, com erupções contínuas que o levaram a ser chamado "o farol do Mediterrâneo" na antiguidade. De vez em quando, ocorrem episódios mais fortes, que podem gerar pequenos tsunamis como aconteceu em 2002, ou mesmo há alguns meses, mas não são acontecimentos excecionais.

O Semeru está ativo há anos, desde 2014 (mas houve dezenas de erupções no século XX), e simplesmente a erupção dos últimos dias foi particularmente espetacular e assustadora, uma vez que os fluxos piroclásticos são fenómenos que não dão aos seres humanos uma oportunidade. É por isso que tem sido noticiado em jornais de todo o mundo.

A atividade solar está envolvida?

Várias teorias curiosas têm circulado nas últimas horas, amplificadas como sempre pelas redes sociais. Segundo uma destas, as erupções dos últimos dias estão ligadas à atividade solar particularmente intensa deste período. Todavia, a atividade solar não tem qualquer relação com o vulcanismo, e estas 'teorias' não passam de "geo-fraudes" infundadas que são amplificados pela web.

Os vulcões reativam-se devido às alterações climáticas?

Outra geo-fraude está a espalhar-se nestas horas, desta vez alimentado por uma falta de compreensão de um estudo científico aprofundado. O estudo, publicado na revista Nature, coloca a hipótese de que há cerca de 5 milhões de anos, durante o período Messiniano, a reativação dos vulcões estava ligada à dessecação do Mediterrâneo, durante um período de grandes alterações climáticas. No entanto, nas redes sociais e em alguns meios de comunicação social, a mensagem que se tem difundido é que as alterações climáticas fazem com que os vulcões se reativem.

O estudo não diz isto, e aqui mais uma vez estamos, portanto, a lidar com fake news. Não, o aumento das emissões de CO2 e as alterações climáticas causadas pelas nossas atividades não reativam os vulcões.

Há pelo menos cinquenta erupções em curso na Terra neste momento

Voltando às erupções destes dias, há também outro facto importante que deve ser acrescentado: há mais do que apenas estas três erupções que estão a acontecer no planeta neste momento!

Há pelo menos cinquenta vulcões em atividade neste momento no planeta Terra, e provavelmente há também vários vulcões submarinos em erupção que não podemos ver.

Por razões mediáticas, apenas o Mauna Loa, o Semeru e o Stromboli "fizeram notícia" como diz a gíria jornalística para dizer que acabaram na TV, rádio e jornais.

Outras erupções em curso não tiveram esta "sorte". Para dar um exemplo, a 27 de novembro uma pequena nova erupção do Monte Etna não recebeu muita atenção, apesar da natureza espetacular dos fluxos de lava que fluíam sobre a neve. Tais eventos estão a ter lugar em dezenas de outras partes do planeta, sem acabarem nos meios de comunicação social.

Há várias razões pelas quais tratamos as erupções de forma diferente. Antes de mais, a sua espetacularidade. Há erupções menos espetaculares, mais "modestas", ou que geram menos admiração em nós, humanos, quando as observamos. Depois há o fator geográfico. Alguns dos vulcões ativos encontram-se em áreas remotas da Terra, onde existem climas extremos, onde ninguém vive e onde não há ninguém para os filmar.