Rastos de navios mostram como os aerossóis afetam a formação de nuvens

Imagens de satélite mostram como as nuvens respondem aos aerossóis emitidos pelos navios, ajudando à modelação climática. A refletividade das nuvens pode ser alterada pelo aerossóis, interferindo na energia que chega à Terra. Como isto determina o impacto do aquecimento global?

nuvens; Terra; aerossóis; atmosfera;
Os aerossóis podem alterar a refletividade das nuvens, o que pode influenciar a quantidade de energia do Sol que a atmosfera reflete de volta para o espaço.

Saber como os aerossóis - partículas libertadas pela queima de combustíveis fósseis - alteram as nuvens é importante para a criação de modelos climáticos precisos. Em particular, os aerossóis podem alterar a refletividade das nuvens, o que pode influenciar a quantidade de energia do Sol que a atmosfera reflete de volta para o espaço. Nuvens mais refletoras diminuiriam a energia que chega à superfície da Terra e, por conseguinte, reduziriam o impacto do aquecimento global. Por conseguinte, é importante obter uma imagem precisa de como as nuvens reagem a poluentes humanos como os aerossóis.

Saber a velocidade a que as nuvens mudam em resposta ao aerossol é importante para compreender o seu efeito sobre o clima. Investigadores do Imperial College London, da Universidade de Leipzig e do University College London utilizaram agora aerossóis emitidos por navios como "cronómetro" para medir a rapidez com que os aerossóis mudam as nuvens.

Os aerossóis libertados dos navios formam linhas distintas dentro de formações de nuvens, conhecidas como 'rastos de navios'. Em mar aberto, é pouco provável que as nuvens sejam afetadas por outros fatores que não os aerossóis, fazendo dos rastos de navios a 'experiência natural' ideal para determinar o impacto dos aerossóis.

A equipa recorreu a imagens de satélite de rastos de navios e utilizou informações sobre vento e registos de navios para determinar há quanto tempo cada navio passou por certos pontos. Podiam então ligar o estado da nuvem às alterações causadas pelos aerossóis emitidos pelo navio. O estudo, publicado na Atmospheric Chemistry and Physics, é o primeiro a estudar os rastos de navios ao longo do tempo.

Clima em mudança

Verificaram que embora o número de gotas de água nas nuvens dos rastos de navios tenha aumentado no espaço de uma hora, à medida que se formavam em torno dos aerossóis, algumas mudanças ocorreram mais de 20 horas depois. Estas incluíam a quantidade real de água na nuvem, que continuou a mudar durante horas, e provavelmente para além do limite de 20 horas do estudo.

O investigador principal Dr. Edward Gryspeerdt, do Departamento de Física do Imperial’s College, disse: "As mudanças a curto prazo têm sido relativamente bem estudadas, mas a forma como a resposta muda em prazos mais longos é menos conhecida, e tem sido em grande parte estudada apenas com modelos informáticos.

Imagem de satélite; navios; número de gotas
Imagem de satélite mostrando o impacto dos navios no número de gotas. Usando o curso do navio e a velocidade do vento local, o movimento das partículas do navio pode ser rastreado, permitindo que o impacto do navio sobre as nuvens seja seguido no tempo. Créditos: Imperial College London

"Isto é importante para o clima, uma vez que muitas vezes dependemos de mudanças a curto prazo para construir a nossa compreensão de como a poluição por aerossóis afeta as nuvens, mas os nossos resultados mostram que o estado da água das nuvens pode ser subestimado se o impacto total dos aerossóis ao longo do tempo não for tido em conta.

No futuro, será possível obter modelos melhores e projeções climáticas mais precisas, dado que já é possível verificar com maior precisão o comportamento das nuvens nos modelos climáticos e meteorológicos.

“Demasiado limpo“ para a formação de nuvens?

Mas, será que há lugares onde todas as outras condições são perfeitas para as nuvens, mas há muito poucos aerossóis para que se formem?

A equipa encontrou lugares onde antes da passagem do navio, não havia nuvens, mas a passagem do navio fez com que se formasse uma nova nuvem. Isto sugere que algumas áreas do mar aberto são de facto normalmente demasiado "limpas" para a formação de nuvens, e só a contribuição de aerossóis oriundos do navio as tornou possíveis.