tempo.pt

O sol atingirá a sua temperatura máxima após 8 mil milhões de anos

De acordo com os especialistas, o Sol tem cerca de 4,57 mil milhões de anos, estando-se a aproximar da metade da sua vida. Contudo, graças aos dados da sonda Gaia, estes conseguiram identificar quando atingirá a sua temperatura máxima.

O Gigante Vermelho
O Sol tem aproximadamente 4.57 mil milhões de anos. Fonte: NASA


A 13 de Junho, a terceira divulgação dos dados da sonda Gaia, da Agência Espacial Europeia, revelou muitos mistérios sobre o Universo. Como sempre, a sonda envia as suas descobertas a partir do espaço, e desta vez obteve informações sobre 1,8 mil milhões de estrelas na Via Láctea.

Uma quantidade tão grande de informação levou o seu tempo a ser processada, mas as conclusões falam por si: estes dados permitiram comparar a evolução do Sol com dados de milhares de estrelas da mesma massa e composição, identificando assim o tempo em que o Sol atingirá a sua temperatura máxima e também o seu fim, em que deixará de brilhar.

Atualmente, o Sol está quase a meio caminho da sua vida, com um total de 4,57 mil milhões de anos. No entanto, a comparação dos dados solares com os de outras estrelas, com características semelhantes, ajudou a prever o futuro da Estrela Rei, concluindo que atingirá a sua temperatura máxima histórica ao aproximar-se dos 8 mil milhões de anos de idade.

O Sol atingirá a sua temperatura máxima histórica ao aproximar-se dos 8 mil milhões de anos de idade, dos quais já estamos a mais de metade.

Além disso, os modelos estudados indicam que deixará de brilhar e tornar-se-á um Gigante Vermelho quando passar a marca dos 11 mil milhões de anos. Depois desse ponto, o destino do Sol será tornar-se numa anã branca.

Medições de precisão

Equipada com dois telescópios óticos e uma câmara com uma resolução de um bilião de pixéis, a sonda, que é a ponta de lança desta missão europeia, conseguiu analisar a composição, luminosidade, velocidade, temperatura e composição de mais de 2 biliões de objetos no espaço.

Graças à sua precisão, os dados permitiram analisar a força e amplitude das linhas espectrais destes objetos celestes, um indicador chave da sua idade, temperatura e luminosidade.

A correlação dos dois parâmetros permite que cada estrela do Universo seja classificada no diagrama Hertzsprung-Russell.

Gaia
A sonda espacial Gaia, operada pela Agência Espacial Europeia (ESA), observa os céus a partir da sua órbita em torno da Terra com o objetivo de criar o maior e mais preciso mapa tridimensional da nossa Galáxia. Fonte: ESO

Este diagrama traça a luminosidade intrínseca de uma estrela contra a sua temperatura relativa de superfície, revelando assim como as estrelas evoluem ao longo dos seus ciclos de vida. Enquanto a massa de uma estrela muda relativamente pouco ao longo da sua vida, a sua temperatura e tamanho mudam à medida que envelhece.

À procura de análogos solares

Hoje, o Sol de 4,57 mil milhões de anos continua a queimar hélio e hidrogénio de forma estável, mas nem sempre será esse o caso. Como o hidrogénio se esgota no seu núcleo, espera-se que acabe por se tornar um Gigante Vermelho com uma temperatura superficial mais baixa.

A equipa de cientistas que filtrou e interpretou os dados, liderada por Orlagh Creevey, concentrou-se no estudo das estrelas com temperaturas de superfície entre 3 mil e 10 mil graus Kelvin, uma vez que a temperatura da superfície solar é de 6 mil K.

Mas qual é o objetivo? Identificar "análogos solares" nos dados de Gaia para encontrar estrelas que possam abrigar exoplanetas com condições semelhantes às da Terra e à sua volta.

Via Láctea
A missão Gaia divulgou o seu segundo grupo de dados, muito antecipado pela comunidade astronómica, o qual incluía medições de alta precisão — posições, distância e movimentos próprios — de mais de um milhar de milhões de estrelas da nossa Via Láctea.

Além disso, ao comparar dados sobre temperatura, composição, massa e gravidades superficiais, encontraram 5.863 estrelas com dados semelhantes aos do Sol como o conhecemos hoje.

Um dos objetivos da missão de Gaia é encontrar estrelas que possam abrigar exoplanetas com condições semelhantes às da Terra.

De acordo com Creevey, a missão Gaia chegou a todos os campos da astrofísica. A sua suprema precisão tem fornecido dados mais precisos do que nunca e abre todo um mundo de possibilidades para novas investigações sobre o Universo.