tempo.pt

Mar demasiado quente, "peixes extraterrestres" colonizam o Mediterrâneo

Os mares à volta de Itália estão demasiado quentes, razão pela qual os chamados "peixes extraterrestres" dos mares tropicais estão a colonizar mais espaço no Mar Mediterrâneo.

peixe-escorpião
Uma bela fotografia subaquática de um peixe-escorpião, uma espécie cada vez mais comum nos mares italianos.

O aumento gradual das temperaturas médias no Mediterrâneo, ligado às alterações climáticas, está a favorecer a proliferação de muitas espécies de peixes tropicais, referidos como "alienígenas", uma vez que habitam geralmente as profundezas de mares muito quentes, tais como o Mar Vermelho.

Os nomes científicos destas espécies são Lagocephalus sceleratus, Pterois miles, Siganus luridus e Siganus rivulatus, mas são muito mais reconhecíveis se os chamarmos de peixe-balão malhado, peixe-escorpião, peixe-coelho escuro e peixe-coelho riscado, respectivamente.

O que está a acontecer no Mediterrâneo?

Estes peixes, devido ao aquecimento significativo e imparável do Mar Mediterrâneo, estão agora presentes nos mares italianos, tendo passado pelo Canal de Suez, começando a proliferar nas águas em torno da Sicília, Calábria, Sardenha e Puglia.

De facto, tratam-se de peixes estranhos ao habitat daqueles mares, particularmente invasivos e capazes, graças às alterações climáticas e ao aumento da temperatura do mar, de se adaptarem a outras situações que não as originais.

peixe-balão
Espécimes de peixe-balão malhado, outro peixe estrangeiro cada vez mais comum no Mediterrâneo, em resultado das alterações climáticas.

A campanha 'Attenti a quei 4' lançada por Ispra

O Istituto Superiore per la Protezione e la Ricerca Ambientale (Ispra), juntamente com o Istituto per le risorse biologiche e le biotecnologie marine del Consiglio nazionale delle ricerche (CNR-Irbim) lançaram uma campanha de informação intitulada 'Attenti a quei 4'.

O objetivo é informar os cidadãos de uma forma correta, explicar-lhes como reconhecer e controlar a presença destes peixes e a sua distribuição nas águas italianas, graças também aos relatórios dos pescadores e dos mergulhadores.

O intuito dos investigadores é sensibilizar e alertar as pessoas para a presença destas espécies de "peixes alienígenas", que se estão a tornar cada vez mais comuns nestes mares. Estes peixes estão a ter um sério impacto negativo nos habitats mediterrânicos e na pesca. Alguns deles são, de facto, predadores vorazes e alimentam-se dos recursos piscícolas do Mediterrâneo.

Quais os perigos para o ser humano?

Estes não são só predadores vorazes. O peixe-balão malhado, por exemplo, também pode ser perigoso para os humanos, tendo carne tóxica e também um conjunto de dentes muito poderoso, parecido com um papagaio, e as picadas podem ser muito dolorosas.

Invece il pesce palla scorpione ha aculei velenosi, ma può essere cucinato dopo essere trattato con cura perché il veleno presente negli aculei mantiene la propria tossicità fino a 48 ore dopo la morte dell'esemplare.

O peixe-balão malhado (Lagocephalus sceleratus) é o mais perigoso de todos, pois possui uma poderosa neurotoxina que o torna tóxico quando comido, mesmo depois de cozinhado. Noticiado pela primeira vez no Mediterrâneo em 2003, ainda desconhecido, causou intoxicações na Grécia, Turquia, Líbano e Israel. Em 2016 foi avistado na Sicília, e mais tarde ao longo da costa da Calábria.

O peixe-escorpião (Pterois miles), por outro lado, pode ser comido. De facto, consumir mais peixe-escorpião significa ajudar a biodiversidade dos nossos mares, como se afirma num anúncio do Projecto MPA-Engage, um projecto europeu para a preservação de áreas marinhas protegidas.

Noticiado pela primeira vez em Itália em 2016, o peixe-escorpião está entre as espécies mais invasivas do mundo. Este peixe, frequentemente utilizado para decorar aquários e tanques em casas ou instalações privadas, deve ser tratado com o maior cuidado. As suas espinhas, espinhas reais, são muito venenosas e podem causar picadas muito dolorosas mesmo 48 horas após a morte do animal.