Asteróide de 40 metros poderá colidir com a Terra

O alerta é dado pela Agência Espacial Italiana que, ainda assim, realça que é cedo para alarmismos. Há uma lista que contém 816 asteróides considerados potencialmente perigosos para a Humanidade.

Alfredo Graça Alfredo Graça 10 Fev. 2019 - 08:29 UTC
Um asteróide de 40 metros poderá atingir a Terra a 9 de setembro deste ano, contudo ainda é cedo para alarmismos.

No ranking onde aparecem 816 asteróides potencialmente letais para os seres humanos, assim é, pela possibilidade de colisão e consequente destruição no nosso planeta algures durante os próximos 100 anos. O número seis deste ranking pertence ao 2006 QV89 que, segundo afirmações da Agência Espacial Italiana (ASI), poderá atingir a Terra no próximo dia 9 de setembro pelas 8h00 (hora de Portugal Continental).

Contudo, é de ressalvar que ainda é cedo para alimentar alarmismos já que, explica a ASI, só dois meses antes, mais precisamente em julho, será possível estabelecer com precisão o rumo que o asteróide irá realmente realizar. “Com os dados que temos agora, a probabilidade de impacto é o mesmo que sermos atropelados por um comboio se atravessarmos uma linha às cegas, sem ver e ouvir, mas sabendo que passa um comboio a cada 15 horas”, explicou Ettore Perozzi, da ASI.

Para já, o que importa reter é que no pior dos cenários, o 2006 QV89 poderá atingir a Terra a uma velocidade de 44 mil quilómetros por hora, destruindo uma superfície de até dois mil quilómetros quadrados. Em acontecimentos comparativos historicamente falando, a capacidade de destruição é similar à que foi provocada pelo asteróide que caiu na Sibéria em 1908.

A questão que agora se impõe, realçou Rolf Densing, diretor do Centro Europeu de Operações Espaciais, não será tanto se um asteróide vai ou não ter impacto no planeta Terra. A questão que se coloca é quando isso vai ocorrer.

Mas afinal, o que são asteróides?

Os asteróides são corpos rochosos e metálicos, detentores de dimensões e formas bastante variadas. Em geral não ultrapassam as centenas de km de diâmetro, e aliás, a maioria deles acaba por possuir apenas alguns metros ou ainda menos. Em termos classificativos, os asteróides são considerados corpos celestes menores do Sistema Solar. Espevite a sua curiosidade e venha aprender um pouco mais sobre estes objetos rochosos.

Na atualidade são conhecidos muitos milhares de asteróides, e na verdade todos os anos essa lista aumenta significativamente. Tudo porque possivelmente existem milhões de asteróides nos Sistema Solar, ainda por descobrir dado que são corpos celestes deveras pequenos.

Situada entre o planeta Marte e o planeta Júpiter, encontra-se uma região do Sistema Solar onde há uma grande concentração de asteróides. Esta região foi simplesmente denominada de Cintura de Asteróides. O maior objeto celeste dessa região é o planeta anão Ceres, com cerca de 950 km de diâmetro, seguido dos asteróides Pallas e Vesta que possuem pouco mais de 500 km de diâmetro cada. Existem milhares de outros ainda, mais pequenos que estes, sendo que alguns possuem pouco mais de um metro de diâmetro.

Publicidade