tempo.pt

O sobrepastoreio está a ameaçar as terras secas a nível global

O gado é importante para a alimentação, abrigo e uma fonte de capital, mas as alterações climáticas ameaçam a produção pecuária e a subsistência de milhares de milhões de pessoas em todo o mundo.

pastoreio
Uma comunidade vegetal diversificada pode ajudar-nos a proteger os efeitos negativos das alterações climáticas nos solos das terras áridas.

O pastoreio é uma indústria de triliões de dólares, e é particularmente importante nas terras secas, que cobrem cerca de 40% da superfície terrestre e suportam metade do gado do mundo. Uma equipa internacional de cientistas publicou um estudo na revista Science com as primeiras estimativas globais de como o pastoreio irá afetar os serviços dos ecossistemas nas terras secas do mundo.

A investigação, liderada pelo grupo Dryland Ecology and Global Change, em Espanha, com colaboradores da UNSW Sydney, mostra que o pastoreio feito por gado e herbívoros selvagens nas terras secas pode ter efeitos positivos nos ecossistemas, mas estes efeitos podem tornar-se negativos à medida que a temperatura da Terra se torna mais quente.

Os efeitos nos ecossistemas podem tornar-se negativos

Os serviços dos ecossistemas afetados pelo pastoreio incluem a capacidade dos solos para cultivar plantas, decompor a matéria orgânica e torná-la disponível para as plantas, armazenar carbono, criar solos férteis e regular o abastecimento de água. Os investigadores descobriram que a pressão do pastoreio é imperativa para impulsionar todos os serviços do ecossistema, particularmente para o armazenamento de carbono, decomposição de matéria orgânica, fertilidade do solo, e a qualidade e quantidade de forragem produzida.

"O pastoreio pode ter efeitos positivos nos serviços dos ecossistemas, particularmente nos ecossistemas ricos em espécies", diz o Professor David Eldridge, do Centro de Ciência dos Ecossistemas da UNSW Sydney, que é um dos autores do artigo. "Mas estes efeitos positivos transformam-se em negativos sob a influência de um clima mais quente.".

Para o estudo, os investigadores utilizaram protocolos padrão para avaliar os impactos do aumento da pressão de pastoreio sobre a capacidade das terras secas globais para fornecer nove serviços ecossistémicos essenciais.

A equipa de mais de 100 investigadores realizou o levantamento global único de 326 terras secas de 25 países, recolhendo informação sobre plantas e solos em locais de baixa a alta pressão de pastoreio. Alguns locais não tinham pastagem, outros tinham densidades elevadas de ovinos e bovinos. No entanto, outros eram pastoreados por herbívoros selvagens como a zebra, em África, e a ihama, no Chile.

As respostas ao pastoreio dependem do clima

Os investigadores descobriram que as relações entre clima, condições do solo, biodiversidade e serviços ecossistémicos dependiam do nível de pressão de pastoreio considerado.

"As reservas de carbono do solo diminuíram e a erosão do solo aumentou à medida que o clima se tornou mais quente, mas apenas sob uma pressão elevada de pastagem" - Professor Eldridge

Estes resultados sugerem que a resposta das terras secas às alterações climáticas em curso pode depender da forma como as gerimos localmente à medida que o clima aquece.

Resultados do estudo

O estudo descobriu que os efeitos do aumento da pressão de pastoreio mostraram-se positivos em zonas secas mais frias, com menos precipitação sazonal e maior diversidade de plantas, e negativos em zonas secas mais quentes, com precipitação altamente sazonal e menor diversidade de plantas.

Os autores observaram, também, que uma maior diversidade de herbívoros estava positivamente ligada a alguns serviços ecossistémicos, tais como a armazenagem de carbono, que é extremamente importante como regulador climático.