Furacão Humberto atinge as Caraíbas

Depois da passagem do Dorian, um novo furacão atinge as Caraíbas, trazendo consigo força letal. O furacão Humberto está a deslocar-se no Oceano Atlântico, afetando os territórios insulares das Bahamas e Bermudas. Contamos-lhe aqui tudo.

João Tomás João Tomás 19 Set. 2019 - 07:00 UTC
Depois da devastação provocada pelo furacão Dorian, agora chegou o furacão Humberto.

O furacão Humberto está a afetar desde o dia de ontem o arquipélago das Bermudas, trazendo consigo ventos fortes e precipitação intensa. Com ventos sustentados na ordem dos 195 km/h e rajadas a ultrapassarem os 200 km/h, o Humberto foi classificado como furacão de nível 3 na escala de Saffir-Simpson. As autoridades locais emitiram um aviso para as próximas 36 horas suspendendo os transportes públicos, encerrando as escolas e aconselhando a população a procurar abrigo.

A passagem do Dorian aproximadamente na mesma área, no início de setembro, causou danos materiais severos, bem como a morte de 52 pessoas, para além de cerca de 1300 desaparecidos. O arquipélago das Bermudas, ainda a tentar recuperar, enfrenta de novo a devastação de mais um furacão: o terceiro, depois do Barry e do já referido Dorian.

Consequências da passagem do Humberto

Não está previsto que este furacão tenha consequências significativas em áreas com maior número de população, nomeadamente a costa Leste dos Estados Unidos da América, no entanto, estão previstas consequências diretas em áreas de maior vulnerabilidade e menor resiliência, caso dos arquipélagos das Bahamas e das Bermudas.

Em termos de vento, estes territórios podem esperar velocidades típicas de furacão, durante o dia de quinta-feira, enfraquecendo progressivamente para velocidades típicas de tempestade tropical. No que concerne à precipitação, esperam-se períodos de chuva forte e intensa com acumulações máximas de 15 mm por metro quadrado. Já no que toca à agitação marítima, estão previstas vagas superiores a 10 metros, estando já registadas ondas com aproximadamente 9 metros de altura.

Estas ondas podem causar inundações em áreas costeiras, a destruição de infraestruturas presentes junto à costa podendo até por em perigo a vida da população presente. De salientar ainda que o furacão tem ainda como consequência o aumento do nível das águas do mar, potenciando igualmente as inundações nas áreas costeiras.

Com o aproximar do fim da semana, espera-se que o Humberto se desloque novamente para o interior do Oceano Atlântico, perdendo progressivamente força, tornando-se tempestade tropical durante o dia de sábado ou na madrugada de domingo.

Publicidade