Tempestades com ar polar geram chuva abundante em Portugal esta semana

Foi ‘sol de pouca dura’ o arranque da terceira semana de novembro. Alimentadas pelo ar polar, as chuvas regressam a território nacional amanhã, descarregando muita água e trovoada nos próximos dias. Até quando? Onde vai chover mais? Saiba tudo aqui!

Alfredo Graça Alfredo Graça 18 Nov. 2019 - 20:48 UTC


Tempestades de origem polar marítima vão empurrar chuva abundante e trovoada para Portugal continental esta semana. Abrigue-se!

Hoje o dia foi soalheiro, com períodos parcialmente nublados pelo país fora. Após a chuva ‘domingueira’, a semana arrancou com um sol de outono bem agradável. Contudo, não passa de um rasgo de sol efémero. Os próximos dias serão ricos em chuva, muito frios (apesar da pouca variabilidade térmica), com neve nos pontos mais elevados dos sistemas montanhosos.

Tudo porque no norte do Atlântico circula agora mesmo uma enorme depressão a sudoeste da Islândia, que está a desenhar um extenso ‘arco’ de nuvens desde os Açores até à Gronelândia. Os cúmulos e cumulonimbos crescem por entre o ar frio transportado pela depressão de origem polar marítima, como aquelas que anteriormente afetaram Portugal. Tem pressão mínima de 972 hPa e rajadas de vento até 120 km/h oceano adentro. A instabilidade atmosférica vai deixar chuva fraca amanhã, por vezes moderada de norte a sul do país.

Desta vez, Alentejo e Algarve não escapam às ‘chuvadas’ esperando-se acumulados interessantes nestas regiões, o que constitui a mais feliz novidade desta semana. Os solos por lá estão consideravelmente carenciados de água, aspeto essencial para atividades como a agrícola que requer índices hídricos normalizados. O modelo ECMWF aposta na passagem de duas depressões a noroeste da Península Ibérica, uma amanhã, outra entre quinta e sexta-feira. Os acumulados serão significativos, estimando-se que o Minho seja a região mais atingida. Algumas células depressionárias deverão gerar granizo e trovoada nesses dias, com provável impacto nas regiões Centro e Sul.

Terça-feira amanhecerá muito nublada, com chuva fraca no país inteiro. Vento Sul soprará fraco a moderado, com queda de neve nos pontos mais elevados da Serra da Estrela. Quarta-feira registará chuva moderada a forte, repartida regularmente pelo espaço geográfico, incluindo Alentejo e Algarve. A Norte são esperados vários aguaceiros. A temperatura vai estar dentro da média para a época, com frio e desconforto térmico estimulado pela intensidade do vento moderado de Sudoeste.

Nova tempestade à espreita entre quinta e sexta-feira

Na quinta-feira, a instabilidade atmosférica vai acentuar-se, especialmente no litoral Norte. O impacto da chuva, moderada a forte, e da trovoada deverá ser maior nos distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Lisboa, Setúbal, Évora e Faro. Os núcleos de trovoada e granizo serão poucos, mas algo intensos a nível local, especialmente no Centro e Sul de Portugal continental. O frio vai manter-se, com os termómetros a registarem mínima de 0 ºC e máxima de 6 ºC no distrito da Guarda, e mínima de 11 ºC nos distritos de Setúbal e Faro e máxima de 16 ºC em todo o Algarve. Teremos também vento de sudoeste.

O modelo Europeu traça um cenário muito instável na sexta-feira, dia 22. Aliado à descida da temperatura e às baixas pressões, as sucessivas perturbações frontais vão descarregar chuva abundante e provável granizo, com relâmpagos e trovões à mistura. Espera-se vento Oeste, com rajada máxima de 75 km/h. Continue a usar e a abusar dos agasalhos quentes desta época outonal, bem como do guarda-chuva, nunca prescinda dele!

Publicidade