tempo.pt

Investigadores descobrem novo espécime da Era dos Dinossauros

Investigadores da China e do Canadá descobriram um novo grande ictiossauro, chamado Baisesaurus robustus, do sudoeste da China, estendendo assim a distribuição geográfica conhecida deste grupo. Contamos-lhe mais aqui!

Ictiossauro
Os ictiossauros constituem uma ordem de répteis marinhos extintos que teriam surgido no início do Triássico, e que se extinguiram um pouco antes dos dinossauros.

Os ictiossauros são um grupo de répteis marinhos mesozóicos bem-sucedidos que tem distribuição mundial, mas a sua origem evolutiva ainda não é clara. Nos últimos anos, muitos novos répteis marinhos relacionados com os ictiossauros, e chamados de ictiossauros primitivos, foram encontrados em rochas do início do Triássico e lançam pistas sobre a origem dos ictiossauros.

Estes primeiros ictiossauromorfos foram descobertos em muitos países, mas a maioria deles é da China, incluindo Cartorhynchus, Chaohusaurus e vários membros de um subgrupo ictiossauromorfo chamado Hupehsuchia. Eles são, em geral, pequenos (cerca de 1 metro de comprimento) e provenientes das regiões leste e centro da China.

ossos vertebrado baisesauris
Ossos de vertebrados do réptil marinho recém-identificado expostos durante o trabalho de campo. As setas indicam as costelas, expostas em corte transversal. Fonte: PEERJ

Contudo, num novo artigo publicado na revista PeerJ, investigadores da China e do Canadá referem um novo grande ictiossauromorfo primitivo, chamado Baisesaurus robustus, do sudoeste da China.

Em 2017, os investigadores do Serviço Geológico de Guizhou encontraram alguns ossos de vertebrados expostos em calcário na região de Zhebao, na província de Guangxi, sudoeste da China, e convidaram investigadores da Universidade de Geociências da China (Wuhan) para se juntarem a eles no estudo do espécime.

O espécime

Jiang e Han, investigadores da Universidade de Geociências da China, confirmaram que o fóssil era de um réptil marinho, possivelmente um parente dos ictiossauros. O espécime foi recolhido pela equipa de investigação conjunta em 2018 e foi preparado no Centro de Wuhan do Serviço Geológico da China.

O espécime compreende apenas a parte frontal do esqueleto do tronco, incluindo algumas vértebras e costelas, um osso do membro e ossos abdominais chamados gastrália (costela abdominal).

Isto dificultou a classificação, mas os investigadores compararam o fóssil de forma abrangente com outros répteis marinhos do início do Triássico e finalmente identificaram-no como um ictiossauromorfo. Em geral, o Baisesaurus robustus partilha mais semelhanças com o Utatsusaurus do Japão, outro ictiossauromorfo primitivo, do que com outros répteis marinhos.

Os investigadores também encontraram algumas características incomuns que eram desconhecidas noutros ictiossauromorfos primitivos, como depressões profundas nas laterais das vértebras e um rádio robusto com duas facetas articulares distintas para contacto com os ossos do pulso. Estas novas características indicam que o fóssil pertence a uma espécie anteriormente desconhecida, que os investigadores chamaram de Baisesaurus robustus.

Além disso, estima-se que o Baisesaurus tenha cerca de 3 metros de comprimento, tornando este réptil marinho recém-descoberto significativamente maior do que qualquer outro ictiossauromorfo do Triássico Inferior da China.

Finalmente, o Baisesaurus tem um rádio mais robusto do que muitos outros ictiossauros primitivos, sugerindo fortes capacidades para nadar que podem ter sido usadas em migrações de longa distância ao longo da margem leste de um antigo oceano conhecido como Paleo-Tethys.

novo espécime baisesauris
O novo espécime de Baisesauris após preparação em laboratório. Fonte: PEERJ

De acordo com Corwin Sullivan, coautor do estudo, o Baisesaurus pode ser uma espécie de lembrete de que ainda há muito a ser descoberto sobre a tremenda explosão evolutiva da diversidade de vertebrados que ocorreu no Triássico.