tempo.pt

A hipótese da "mente humana da meia-noite"

A mente humana é transformada após a meia-noite. O efeito é conhecido como a hipótese da "mente da meia-noite". Saiba o que é, aqui!

mente humana
A nossa mente e a forma como vemos o mundo pode mudar substancialmente a partir da meia-noite.

A invenção da luz permitiu ao homem conquistar um território que não lhe é favorável, o das trevas da noite. O organismo da nossa espécie está adaptado para viver sob a proteção da luz. No entanto, a noite já é um espaço povoado. Vivemos acordados para além da meia-noite, mas, segundo um artigo publicado no Frontiers in Network Physiology, a partir desse momento o cérebro é transformado.

A hipótese da meia-noite mental

A hipótese sugere que a mente humana se torna mais suscetível a pensamentos negativos e comportamentos destrutivos após a meia-noite, se estiver alerta. Ocorrem alterações na cognição e no comportamento, alterando o processamento de recompensas, o controlo de impulsos e o processamento de informação.

Suicídios, comportamentos violentos e vícios

Por exemplo, Michael L. Perlis, PhD, Professor Associado de Psicologia na Escola de Medicina Perelman da Universidade da Pensilvânia, e co-autor da hipótese Mente Depois da Meia-Noite, descobriu que se se ajustar ao número de pessoas que estão acordadas a qualquer hora, os suicídios são estatisticamente mais prováveis de ocorrer durante as horas noturnas.

Os homicídios e crimes violentos são também mais frequentes à noite, assim como os riscos de uso ilícito ou inadequado de substâncias tais como cannabis, álcool e opiáceos.

As escolhas alimentares à noite também tendem a ser pouco saudáveis, uma vez que procuramos mais hidratos de carbono, lípidos e alimentos processados e muitas vezes consumimos mais calorias do que precisamos.

O ritmo circadiano é influenciado e ficamos mais pessimistas

O autor principal do estudo explica que a influência circadiana na atividade neural do nosso cérebro muda ao longo de 24 horas, levando a diferenças na forma como processamos e respondemos ao mundo.

Por exemplo, o efeito positivo, a tendência para ver a informação sob uma luz positiva, está no seu ponto mais alto de manhã, quando as influências circadianas estão sintonizadas à vigília, e no seu ponto mais baixo à noite, quando as influências circadianas estão sintonizadas ao sono.

Em paralelo, o efeito negativo: a tendência para ver a informação numa luz negativa ou ameaçadora é maior à noite.

Quando estamos acordados para além da meia-noite, a nossa mente pode inundar-se de pensamentos e comportamentos que normalmente não costumamos ter durante o dia.

De repente, a sua visão do mundo reduz-se e torna-se mais negativa, começa-se a tomar más decisões e o mapa mental que se cria do mundo à sua volta pode já não corresponder à realidade.

Mais dopamina, mais risco

O corpo também produz naturalmente mais dopamina à noite, o que pode alterar o seu sistema de recompensa e motivação e aumentar a probabilidade de se envolver em comportamentos de risco.

Os autores do estudo advertem que nesta fase estas conclusões são apenas uma hipótese, mas recomendam que se abra um leque de estudos para ter em conta o efeito biológico do período noturno de uma forma geral.