Tufão Krosa atinge fortemente o Japão

O tufão Krosa atingiu esta sexta-feira o Japão, causando elevados prejuízos e inúmeros constrangimentos à população. Este fenómeno afetou primeiramente as ilhas do Sul, prevendo-se que atinja fortemente grande parte do território nipónico. Saiba aqui todos os detalhes.

João Tomás João Tomás 17 Ago. 2019 - 10:56 UTC
Ondulação forte, uma característica destes eventos extremos.

O tufão Krosa que entretanto se tornou tempestade tropical, afetou o Sul do Japão nas últimas horas, tendo deixado um rasto de destruição: 3 vítimas mortais e cerca de 50 feridos, segundo dados das autoridades locais. É o quarto evento do género a afetar as principais ilhas japonesas, nas últimas três semanas, depois da passagem do tufão Francisco, da Tempestade Tropical Nari e do Tufão Lekima.

O Krosa trouxe cerca de 800 mm de chuva intensa em algumas áreas, bem como rajadas de vento na ordem dos 144 km/h, tendo chegado a terra na cidade de Kure, pertencente ao concelho de Hiroshima. Os transportes foram severamente afetados, várias ligações marítimas, ferroviárias e rodoviárias foram canceladas, como medida de precaução. Mais de 800 ligações aéreas foram igualmente canceladas.

A passagem deste evento causou três mortes, que foram provocadas por eventos relacionados com a passagem do Krosa: a primeira deveu-se à agitação marítima na costa de Shimoda, a segunda devido aos ventos fortes, que provocaram uma queda fatal e a terceira devido à subida repentina do caudal do Rio Chikusa, que se deveu à forte precipitação.

Tufão torna-se sistema de baixa pressão

No seu caminho para o Nordeste do Japão, o Krosa passou, em primeira instância, a tempestade tropical e posteriormente a sistema de baixa pressão sem, no entanto, deixar de representar perigo para as populações, para os transportes e para as atividades económicas. As autoridades japonesas continuam alerta para situações de chuva e vento forte e rápido aumento de caudal de alguns rios.

A chuva forte pode ser ainda responsável por movimentos de vertente, bem como por inundações repentinas. Prevê-se que, no norte do arquipélago, na região de Hokkaido, os valores de precipitação cheguem aos 200 mm, com rajadas de vento que podem chegar aos 124 km/h . Foi emitido pelas autoridades um alerta nível 5, que significa que a população deve tomar medidas que possam salvar vidas.

Curiosamente, este sistema de baixa pressão trouxe também um aumento considerável das temperaturas. Foi batido o recorde de temperatura mínima mais alta alguma vez registada no Japão, 31.3 °C, na cidade de Itoigawa, na área central da maior ilha japonesa.

Publicidade