tempo.pt

Pacífico: novas criaturas descobertas numa fenda do mar profundo

Mais de 30 potenciais novas espécies foram descobertas por investigadores do Museu Britânico de História Natural, numa falha no Oceano Pacífico.

Novas espécies; Pacífico
Estas novas criaturas foram recolhidas entre 3100 a 5100 metros de profundidade na falha Clarion-Clipperton.

Utilizando um veículo subaquático operado à distância, os cientistas do Museu Britânico de História Natural recolheram pela primeira vez novas espécies numa fenda submarina profunda no Oceano Pacífico. Dos pepinos do mar aos corais, mais de 30 dos 55 espécimes recolhidos eram, anteriormente, completamente desconhecidos dos investigadores!

A falha Clarion-Clipperton

A falha Clarion-Clipperton situa-se entre o México e mais de 500 km a sudeste da ilha do Hawaii (EUA). Esta planície abissal, no meio do Oceano Pacífico, é gigantesca. Segundo o Instituto Francês de Investigação para a Exploração do Mar (Ifremer), são quase 9 milhões de km².

Também cobre o que é conhecido como "falha" ou "fratura", uma "característica topográfica invulgarmente montanhosa, com 7240 km de comprimento", revela Ouest-France. Para além do seu imenso tamanho, esta falha é profunda. Pode atingir uma profundidade de 5500 metros em alguns locais. Esta parte do oceano é especialmente conhecida pela sua riqueza mineral.

"Estas planícies abissais planas estão cobertas com pedaços de minerais de tamanho de batata chamados nódulos polimetálicos", diz o museu londrino. "Rico em metais importantes como o cobalto, níquel, manganês e cobre", estes metais são cada vez mais procurados, pois são necessários para a construção de veículos elétricos e turbinas eólicas.

39 novas espécies descobertas

Psychropotes longicauda, psychropotes verrucicaudatus, peniagone vitrea, um total de 39 novos espécimes foram descobertos nos abismos desta área subaquática. "Dos 55 exemplares recuperados, 48 eram de espécies diferentes (...) apenas 9 são atualmente conhecidos pela ciência. Os outros 39 podem, portanto, ser novas espécies", disse o museu de Londres.

Já estudadas através de fotografias, estas criaturas foram recolhidas entre 3100 e 5100 metros de profundidade por um robô telecomandado. Estrela do mar, anémonas, esponjas do mar, ouriços-do-mar, pepinos do mar - para o Museu de Londres, estas novas espécies representam apenas uma parte do que está escondido no abismo do Oceano Pacífico.

Os cientistas estavam conscientes de que esta falha estava cheia de "macrofauna" desconhecida (animais que não são suficientemente grandes para serem visíveis a olho nu, entre 4 e 80 mm), mas não esperavam encontrar tantos megafauna (espécimes maiores). Infelizmente, os investigadores estão preocupados que a atividade mineira possa perturbar a vida destes animais marinhos.