O investimento na previsão do tempo pode salvar 23 mil pessoas por ano

Melhores previsões meteorológicas, sistemas de alerta precoce e informação climática - os chamados serviços hidrometeorológicos - salvariam 23.000 vidas por ano e poderiam gerar benefícios anuais de pelo menos 162 mil milhões de dólares, segundo estima um novo relatório. Contamos-lhe mais aqui!

cheia; Tailândia
O investimento em sistemas de alerta meteorológico precoce podem salvar milhares de vidas, evitando cenários catastróficos como o da cheia que vemos nesta fotografia.

Lançado no passado 8 de julho pelos líderes da Aliança para o Desenvolvimento Hidrometeorológico - incluindo a Organização Meteorológica Mundial (OMM) e outras instituições internacionais – este relatório centra-se em soluções hidrometeorológicas para alcançar uma ação climática eficaz e o desenvolvimento sustentável.

A necessidade de investimento na adaptação e resiliência às mudanças climáticas

O relatório salienta o facto de que o investimento em sistemas de alerta precoce para múltiplos riscos gera benefícios pelo menos dez vezes superiores ao seu custo, e recorda que tais sistemas são fundamentais para a construção de resistência a eventos extremos. Contudo, apenas 40% dos países dispõem atualmente de sistemas de alerta eficazes. Existem muitas lacunas nos países menos desenvolvidos e em pequenos estados insulares em desenvolvimento.

"O nosso clima está a mudar rapidamente. A década anterior foi a mais quente de que há registo. A temperatura média global está cerca de 1,2°C acima dos valores pré-industriais. E estamos longe de reduzir as emissões globais de gases com efeito de estufa para evitar os piores efeitos das alterações climáticas e limitar o aumento da temperatura a menos de 1,5°C, em conformidade com os objetivos do Acordo de Paris", diz o Professor Petteri Taalas, Secretário-Geral da OMM. Segundo Taalas, para que as medidas de adaptação sejam eficazes necessitam de serviços climáticos e meteorológicos baseados em dados científicos.

furacão; rota de evacuação
Sistemas de alerta precoce podem resultar numa evacuação mais rápida e salvar milhares de vidas perante eventos climáticos extremos, como furacões ou cheias.

António Guterres, Secretário-Geral da ONU, apelou para que o ano de 2021 marque um ponto de viragem na adaptação e resiliência, especialmente no que toca ao financiamento. Isto é essencial para assegurar que todas as pessoas, sobretudo as mais vulneráveis, possam adaptar-se e tornar-se mais resistentes aos impactos de futuros eventos climáticos e meteorológicos inevitáveis. A Aliança para o Desenvolvimento Hidrometeorológico foi lançada na 25ª sessão da Conferência das Partes (COP 25) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (UNFCCC) em Madrid.

Benefícios

O relatório sublinha que, de um ponto de vista económico, os investimentos em investimentos hidrometeorológicos são extremamente rentáveis, uma vez que têm um triplo benefício:

  • Evitam perdas: sistemas de alerta precoces fiáveis e precisos salvam vidas e protegem bens de valor pelo menos dez vezes superior ao seu custo.
  • Optimizam os sistemas de produção: os benefícios anuais da melhoria da produção económica resultantes da aplicação de previsões meteorológicas em setores altamente sensíveis às condições meteorológicas estão estimados em cerca de 96 mil milhões de dólares.
  • Possibilitam uma melhor resposta estratégica a longo prazo às alterações climáticas: a Comissão Global sobre Adaptação estima que o investimento estratégico de 1,8 biliões de dólares entre 2020 e 2030 a nível mundial poderia gerar 7 biliões de dólares em benefícios líquidos totais.

Diagnóstico Hidrometeorológico Nacional

O relatório apresenta o Diagnóstico Hidrometeorológico Nacional, uma ferramenta operacional normalizada e integrada da parceria que avalia os serviços hidrometeorológicos e orienta os processos de tomada de decisões de investimento, explicada no vídeo abaixo. Em colaboração com 16 países, foi realizada uma primeira ronda de diagnósticos hidrometeorológicos nacionais.

As lacunas observacionais são particularmente pronunciadas nos Países Menos Desenvolvidos e nos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento (PMD e PEID), que estão atualmente longe de satisfazer os requisitos da Rede Global de Observação Principal (GBON) acordada internacionalmente. Como resultado, estes países são incapazes de gerar previsões de qualidade.

A falta de observações nestes países mina a qualidade das previsões a nível mundial. Sem um aumento substancial no intercâmbio internacional de observações de superfície, a qualidade dos serviços hidrometeorológicos não pode melhorar significativamente, porque depende diretamente da qualidade dos dados em que estes serviços se baseiam.

As lacunas na observação nestes países afeta a qualidade das previsões a nível mundial, o que impede uma melhoria significativa dos serviços hidrometeorológicos.

O relatório sobre lacunas no domínio hidrometeorológico identifica, portanto, a criação da Serviço de Financiamento de Observações Sistemáticas (SOFF) como uma ação prioritária da Aliança. De acordo com o calendário previsto, o SOFF será lançado na COP26 - a Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas em Glasgow - e tornar-se-á operacional em 2022.