Abril de 2019: o segundo mais quente desde que há registos

O mês de abril 2019 foi o segundo mais quente desde 1880, segundo os dados da NOAA. A situação da Terra, desde os glaciares nos pólos aos ciclones tropicais, como os que atingiram Moçambique.

Alfredo Graça Alfredo Graça 22 Maio 2019 - 16:49 UTC
Glaciares: em abril de 2019, o gelo do Ártico alcançou a menor extensão registada em abril desde 1979.

De acordo com dados da NOAA (National Oceanic and Atmospheric Administration), abril de 2019 foi o segundo mês de abril mais quente em todo o globo desde que existem registos. Segundo as medições que começaram em 1880, o mês de abril mais quente foi o de há três anos atrás: abril de 2016. Os dados abrangem a temperatura média das superfícies terrestres e oceânicas. Outro facto: foi o terceiro período de janeiro a abril mais quente desde que há registos e medições.

Os primeiros quatro meses do ano foram caracterizados por condições atmosféricas mais quentes que a média na maior parte das superfícies terrestres e oceânicas à escala global. As temperaturas quentes que mais se evidenciaram em relação à média, pertenceram a alguns territórios do Alaska, noroeste do Canadá e no norte e centro da Rússia. Ali, as temperaturas foram superiores à média em cerca de 3,5 ºC.

Temperaturas recorde foram registadas entre janeiro a abril em partes da Austrália, na África austral, sudeste do Brasil, Ásia central, no Atlântico Sul e mares do sudoeste da Índia, bem como na China oriental e nos mares da Tasmânia. De acordo com os dados da NOAA, na Europa, este foi o quinto mês mais quente de abril, assim como na América do Sul. Na Ásia, por outro lado, verificaram-se temperaturas recorde, vários graus acima da média, especialmente na região central.

Por outro lado, as temperaturas mais frias em relação à média foram registadas em grande parte do Canadá e nas regiões Norte e Centro dos EUA, onde os valores térmicos situaram-se pelo menos 2 ºC abaixo da média. Em média, este foi o terceiro período mais quente de janeiro a abril, registando 0,90 ºC acima da média do século XX. Só o mês de abril de 2016 foi mais quente. As cinco maiores temperaturas terrestres e oceânicas entre janeiro e abril ocorreram desde 2010.

Analisando os pólos, no Ártico a extensão do gelo foi 8,4% menor que a média do período 1981-2010. Com base nas observações da NOAA, em abril de 2019 o gelo do Ártico alcançou a menor extensão registada em abril, desde que existem medições (1979). No pólo sul, a extensão do manto de gelo da Antártida em abril foi 16,6% menor do que a média do período de 1981-2010.

Os casos de Finlândia e Moçambique

Na Finlândia, condições atmosféricas mais secas relativamente à média evidenciaram-se em grande parte do território, com alguns locais a vivenciar o seu mês de abril mais seco de sempre. A cidade de Pello somou apenas um total de 3,6 mm ao longo do mês: o valor mais baixo de precipitação em abril desde que iniciaram os registos neste local há 50 anos atrás. Estes fatores climáticos de calor e secura contribuíram decisivamente para o desenvolvimento de incêndios florestais no sul da Finlândia no final do mês passado.

Moçambique foi atingido por um devastador segundo ciclone em apenas dois meses. O 'Kenneth' provocou mais meia centena de mortos a juntar aos quase 800 provocados pelo 'Idai' em março, deixando ainda mais de 20 mil pessoas sem-abrigo no nordeste moçambicano. A agravar a situação, o 'Kenneth' registou ventos de até 230 km/h, precipitou chuvas torrenciais no território, causando severas inundações e inúmeros deslizamentos de terra.

Publicidade