Tempo em dezembro: como será?

Arrancou hoje o inverno climatológico, altura do tempo frio, chuvoso e com neve nos sistemas montanhosos de Portugal continental. Dias e noites são mais gélidos, e há que reforçar o aquecimento. Que tempo teremos em dezembro? Confira a previsão!

Alfredo Graça Alfredo Graça 01 Dez. 2019 - 22:03 UTC


Apesar duma primeira semana muito fria, dezembro deverá ser um mês mais quente que o habitual, e com pouca chuva.

Deixamos para trás um mês de novembro incrivelmente chuvoso. O tempo foi claramente adverso, com chuva abundante, ventanias moderadas a fortes numa quantidade razoável de dias em várias cidades portuguesas, e pode mesmo falar-se num inverno antecipado no último mês do outono climatológico, já que a meio do décimo primeiro mês do ano, mantos de neve pintaram de branco com relativa espessura, várias localidades montanhosas, inclusive a cotas mais baixas (a partir dos 600 metros de altitude).

Novembro foi marcado pelo nevoeiro constante em alguns dias, e pelas chuvadas persistentes que inundaram localidades do Norte de Portugal. A sensação de frio foi incrementada pelo vento intenso algumas vezes e a descida de temperatura foi notória nalguns dias, devido ao surgimento massivo de massas de ar polar, acompanhadas de tempestades. Dezembro começou chuvoso nas primeiras horas da madrugada, sendo que a precipitação continuou até às 9h ou meio-dia, dependendo das localidades. Depois disso, o dia de hoje foi marcado pelo sol e por um céu azul como há já muitas semanas não se via!

Dezembro continuará assim?

Tal como o IPMA, o modelo ECMWF (Europeu) projeta um dezembro algo variável em termos meteorológicos. Para a terceira e quarta semanas do mês, há que ter em conta que o prognóstico deve ser visto de forma cautelosa, a fiabilidade a médio e longo prazo não é muito credível, especialmente porque dum momento para o outro, as previsões traçadas pelos modelos numéricos podem alterar-se radicalmente.

Para a primeira semana de dezembro, Portugal continental terá uma situação de tempo estável por causa do posicionamento do anticiclone dos Açores (altas pressões). A semana arranca muito fria, com redução drástica da temperatura, que se destaca mais nos territórios do interior, devido ao efeito da continentalidade (anomalia negativa -3 ºC a 0 ºC) e ao facto de possuírem clima temperado continental (verões muito quentes e invernos muito frios). Quanto aos níveis de precipitação, vão surgir abaixo da média, evidenciando anomalia negativa (-30 a -10 mm). Mas pelo menos teremos sol em abundância.

Na segunda semana de dezembro, o cenário projetado é credível mas até lá podem surgir mudanças. O modelo Europeu aposta num cenário meteorológico de valores térmicos dentro do ‘standard’. Já a precipitação, estará dentro da média, exceto no Noroeste minhoto que terá chuva acima dos valores de referência (0 a 30 mm).

Para as duas últimas semanas do mês, de momento antecipa-se um cenário de alguma variabilidade atmosférica na transição da terceira para a quarta semana, mas dado que ainda falta muito tempo, convém ter alguma cautela na análise das cartas sinóticas. Na semana que inicia a 16 de dezembro poderemos registar valores de temperatura acima do habitual em todo o país, com precipitação dentro do normal, embora acima da média no norte e algumas localidades do centro de Portugal continental. Para a semana do Natal, o sinal estatístico não é significativo, mas por agora prevê-se temperatura e precipitação dentro do padrão habitual.

Publicidade