A volubilidade do nevoeiro sob efeito do Sol

A atmosfera do planeta personifica o palco onde atuam eventos meteorológicos que têm como função equilibrar a combinação dos gases que a compõem. Uma dinâmica movida sob a batuta da força da energia da luz do Sol que chega ao planeta. Contamos-lhe aqui acerca do nevoeiro!

Bancos de nevoeiro
Os bancos de nevoeiro oriundos da superfície terrestre tendem a elevar-se 3 a 6 metros acima do nível do mar, dissipando-se à medida que se afastam da costa.

O constante intercâmbio de calor e de humidade entre as massas de água e a atmosfera, regulam a temperatura no planeta, redistribuindo a energia, fomentando a ocorrência de fenómenos climáticos como escape das pressões que moderam a circulação atmosférica.

Nesta intrincada dinâmica, o vapor de água desempenha uma crucial função no balanço térmico da atmosfera, ao manter a temperatura nas camadas mais baixas uma vez que absorve parte do calor irradiado da superfície terrestre, evitando substanciais perdas desse calor. Personificando uma espécie de barreira balizadora, a cobertura das nuvens ajuda assim a manter as temperaturas suaves durante a noite.

Como elemento meteorológico, a nebulosidade (nuvens) acaba por produzir certas particularidades que se refletem na fisiografia e biologia do planeta, como a aridez do solo ou a continentalidade do clima. As nuvens representam meios heterogéneos compostos por ar, vapor de água, gotas de água de diversas dimensões, cristais de gelo, partículas de substâncias em estado líquido e em estado sólido, como fumo e poeiras.

Como se formam as nuvens e o nevoeiro?

Os movimentos verticais das massas de ar que ocorrem na atmosfera do planeta condicionam a formação das nuvens. Um processo no qual, porções de água existente em lagos, mares, plantas, sofre evaporação, ascendendo na atmosfera onde progressivamente, confrontando-se com a diminuição da temperatura em altitude, o ar perde capacidade de reter o vapor de água, favorecendo a sua condensação e inerente formação de nuvens.

Nuvens
As nuvens são compostas de gotículas de água e impurezas encontradas no ar.

Caracterizam-nas uma permanente volubilidade, que as divide, em função da sua formação, em dois tipos: as nuvens estratiformes de desenvolvimento horizontal, a baixa altitude, com aparência lisa que parecem cobrir o céu todo; e as nuvens nimbostratus com aspeto amorfo, que se desenvolvem em altitude, aparentando ser mais espessas.

Similar às nuvens estratiformes, refira-se a formação do nevoeiro. Este representa um conjunto de minúsculas gotículas de água de diâmetro compreendido entre 1μm e 20μm suspensas no ar, mas próximo da superfície. Dependente do volume de concentração, tamanho e número de gotículas de água, resulta na redução da visibilidade horizontal, sendo que quando a nitidez é afetada numa distância inferior a mil metros designa-se por nevoeiro, e neblina, quando a visibilidade é comprometida numa extensão superior a 1 km.

O nevoeiro representa o contacto de uma nuvem com o solo, sendo queapós a sua formação, a radiação infravermelha do topo da nuvem, pode ainda causar um arrefecimento adicional ajudando a manter a nuvem. O nevoeiro surge quando o ar satura por efeito de arrefecimento, ou radiativo (por ausência de radiação solar direta), ou advectivo (quando a temperatura é igual à temperatura do ponto de orvalho), ou adiabático (por expansão) ou ainda, por aumento de vapor de água.

a dissipação do nevoeiro, dependendo da sua espessura, é condicionada quer por alterações na direção do vento, quer por efeito da radiação solar e infravermelha, ou inversão térmica (em camadas de ar até 1000 m acima do solo), podendo a limpidez do ar demorar várias horas a ocorrer.

O nevoeiro pode formar-se sobre a terra numa noite fria e limpa, derivando para o mar, ou pode formar-se sobre o mar ou espelho de água, quando o ar húmido e relativamente quente se move sobre água mais fria, sendo que quanto mais quente estiver a água, comparativamente com a temperatura do ar sobre o solo, mais rapidamente o nevoeiro se dissipa. Ou seja, para que ocorra condensação e se forme nevoeiro, a temperatura de uma massa de ar tem de sofrer um arrefecimento suficiente para saturar o teor de água nela presente, sendo aí atingido o chamado ponto de orvalho.

O perigo e o mistério que o nevoeiro pode representar

A formação de nevoeiro, além de derivar de processos físicos (arrefecimento e aumento de humidade, ou conjugação de ambos) podeestar relacionada e ser intensificada, como resultado da relação entre um fluxo que ascende, e um eventual bloqueio representado por barreiras topográficas, assim como por efeito antropogénico. Considere-se aacumulação de poluição urbana decorrente da queima incompleta de combustíveis fósseis, osmog, com graves consequências para a saúde de todo o ecossistema.

A condição meteorológica de um estado do tempo nublado, pela opacidade que inflige nas paisagens, foi sendo antropologicamente associada a uma perturbação que precede a luz, envolta num misticismo comummente descrito em obras literárias, como o poema final da Mensagem de Fernando Pessoa numa alegoria à situação de Portugal após o desaparecimento do Rei D. Sebastião. De facto, após o dissipar do nevoeiro tende a instalar-se uma luminosidade facultada pelo espalhamento da luz do Sol, e um soalheiro dia (ou mesmo uma límpida noite estrelada), considerando a energia da luz solar como alavanca da fotossíntese e fonte de vitamina D.