tempo.pt

Um tsunami colossal de 90 metros, o estudo da erupção de Tonga

Segundo um novo estudo internacional, o devastador tsunami desencadeado pela explosão extremamente violenta do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai atingiu uma altura de mais de 90 metros nas proximidades imediatas.

tsunami; tonga; erupção
Segundo um novo estudo, o tsunami produzido pela erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai atingiu uma altura de 90 metros.

A erupção extremamente violenta do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'apai a 15 de janeiro foi registada pelos cientistas como uma das explosões mais violentas alguma vez registadas no planeta. O evento causou um tsunami global e gerou um boom sónico, acompanhado de uma "onda de pressão" que circulou o globo duas vezes.

Após este acontecimento catastrófico, que felizmente produziu danos limitados, em termos de mortes, apenas porque afetou um canto quase desabitado do mundo, os estudos multiplicaram-se para compreender o que realmente aconteceu.

Será que o tsunami gerado pela erupção atingiu os 90 metros?

Um novo estudo realizado nos últimos meses por uma equipa de investigadores internacionais analisou a violenta erupção vulcânica nas Ilhas Tonga no passado 15 de janeiro. Ao que parece a onda deste tsunami nas proximidades imediatas do vulcão atingiu uma altura de quase 90 metros.

Assim, uma verdadeira parede gigante de água varreu tudo nas suas proximidades imediatas. Este seria um dos tsunamis mais poderosos alguma vez observados na Terra, pelo menos em tempos recentes.

Mas como foi calculada a altura da onda?

Este valor foi estimado através de uma série de simulações por computador obtidas a partir da análise de uma grande quantidade de dados sobre a variação do nível do mar registados por marégrafos espalhados pelo Oceano Pacífico e pela onda de pressão gerada pela onda de choque da violenta explosão que iniciou a erupção.

O tsunami gerado pela violenta erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha'Apai, contudo, os próprios estudiosos advertem, foi muito diferente dos tsunamis que normalmente registamos durante os fortes terramotos ou erupções vulcânicas mais modestas que ocorreram nas últimas décadas.

De facto, estamos a falar de um dos muito poucos tsunamis que conhecemos que afetou todos os oceanos e grandes mares do nosso planeta, de tal forma que foi mesmo detetado por marégrafos presentes no interior do Mar Mediterrâneo, quase nos antípodas da erupção.

tsunami; onda gigante
Aquilo que a explosão de Hunga Tonga-Hunga Ha'apai criou foi um tsunami global.

Características deste “tsunami global”

Um tsunami destas proporções e com este timing só pode ser explicado por uma série de ondas anómalas geradas pela impressionante onda de choque que se propagou através da atmosfera a uma velocidade de 312 a 343 metros por segundo.

A propagação desta onda de choque dentro da atmosfera causou, de facto, uma súbita e significativa mudança na pressão atmosférica, que na realidade gerou um tsunami que se propagou pelos oceanos e grandes mares do nosso planeta, com alturas muito baixas e não particularmente problemáticas, mas detetáveis apenas por instrumentação.

Nas proximidades imediatas do vulcão, contudo, a variação da pressão combinada com a própria erupção provocou um súbito deslocamento de água que formou um tsunami que inicialmente tinha 90 metros de altura, nove vezes superior ao formado pelo terrível terramoto que atingiu o Japão em 2011.

Porque é que os danos foram tão limitados?

Felizmente, as ilhas habitadas mais próximas do vulcão encontravam-se a mais de 70 km de distância. Ali, as ondas do tsunami atingiram alturas de apenas (por assim dizer) 1,23 metros e causaram danos extensos e algumas vítimas. Em todo o Oceano Pacífico, o tsunami gerado pela erupção causou até 5 mortes e mais de 90 milhões de dólares em prejuízos.

Antes de Tonga, o único tsunami que conhecemos que foi gerado tanto pela própria erupção como pela sua onda de choque foi o produzido pela violenta erupção do vulcão Krakatau em 1883.