tempo.pt

Qual é o estado atual dos glaciares num mundo em aquecimento?

A rede de observação do WGMS, dotada de um robusto conjunto com mais de 30 anos de medições glaciológicas em glaciares de referência, é um apoio vital para a Convenção-Quadro das Nações Unidas para as Alterações Climáticas. Saiba mais aqui!

glaciar; alterações climáticas
Os glaciares de referência, monitorizados há mais de 30 anos pelo WGMS, oferecem um robusto conjunto de dados que servem como indicadores para perceber o desenrolar das alterações climáticas em curso.

Num mundo em aquecimento, importa perceber o papel de relevo que os glaciares assumem enquanto variável climática para compreender a velocidade das alterações climáticas em curso. E também de que forma podem servir de suporte à Convenção-Quadro das Nações Unidas para as Alterações Climáticas para a tomada de decisões.

Como é avaliado o estado de um glaciar?

Os glaciologistas avaliam o estado de um glaciar medindo o balanço de massa anual, tais como os resultados combinados da acumulação de neve (ganho de massa) e derretimento (perda de massa) durante um dado ano.

O balanço de massa reflete as condições atmosféricas durante um ano (hidrológico) e, se medido durante um longo período e apresentado de forma cumulativa, as tendências do balanço de massa são um indicador das alterações climáticas. O derretimento sazonal contribui para o escoamento e o balanço anual (ou seja, a alteração líquida da massa glaciar) contribui para a alteração do nível do mar.

Mudanças na massa anual global dos glaciares de referência
Balanço de massa anual dos glaciares de referência com mais de 30 anos de medições glaciológicas em curso. Os valores de variação de massa anuais são dados no eixo y na unidade de metro de água equivalente (m w.e.) que corresponde a toneladas por metro quadrado (1.000 kg m-2). Fonte: WGMS

O gráfico da variação de massa global dos glaciares mostra o balanço anual estimado para um conjunto de glaciares de referência global com mais de 30 anos de observação contínua para o período 1949/50-2020/21. Os valores globais são calculados utilizando apenas um único valor (média) para cada uma de 19 regiões de montanha, a fim de evitar um enviesamento para regiões bem observadas.

Na última década houve um forte aumento da taxa da perda de gelo

Tal como podemos analisar no relatório do Serviço Mundial de Monitorização de Glaciares (WGMS - siglas em inglês), nos anos hidrológicos 2019/20 e 2020/21, os glaciares de referência observados sofreram uma perda de gelo de 0,98 metros de água equivalente (m w.e. – em inglês) e de 0,77 m w.e., respetivamente.

Com isto, oito dos dez anos de balanço de massa mais negativos foram registados após 2010. Um valor de -1,0 m w.e. por ano representa uma perda de massa de 1.000 kg por metro quadrado de cobertura de gelo ou uma perda anual de espessura de gelo de cerca de 1,1 m por ano, já que a densidade de gelo é apenas 0,9 vezes a densidade da água.

Desde meados da década de 1970, estima-se que a variação cumulativa da massa glaciar dos glaciares de referência global, ultrapassa os 24 m w.e., ou seja, os glaciares observados estiveram próximos de estados estáveis durante os anos 60, seguidos de uma perda de gelo cada vez mais forte até ao presente.

gráfico massa acumulada regional dos glaciares de referência
Alteração de massa acumulada relativamente a 1976 para meios regionais e globais com base em dados de glaciares de referência. Os valores acumulados são dados no eixo y na unidade de metros de água equivalente (m w.e.). Fonte: WGMS

O forte aumento das taxas de perda de gelo em cada década até ao presente (sobre a diminuição da superfície dos glaciares) não deixa dúvidas sobre as alterações climáticas em curso e a forçagem sustentada, mesmo que uma parte da tendência de aceleração observada seja provavelmente causada por um processo de feedback positivo (por exemplo, descida da superfície, desintegração dos glaciares).

Os constrangimentos da dimensão limitada da amostra

As estimativas de balanço de massa aqui consideradas baseiam-se num conjunto de glaciares de referência global com mais de 30 anos de observação contínua durante o período de tempo, que são compilados pelo WGMS com base numa rede de colaboração científica em mais de 40 países de todo o mundo. É preciso, no entanto, ler com cautela os valores anteriores a 1960 e em 2020/21 devido à dimensão limitada da amostra.

Note-se que o balanço de massa específico dos glaciares de referência é um índice do estado global dos glaciares. No entanto, é necessária uma combinação destas observações do campo glaciológico com medições geodésicas por satélite para avaliar as alterações globais da massa glaciar e as contribuições relacionadas com a subida do nível do mar.