tempo.pt

Os quinze maiores desastres de 2020

A Covid-19 pode ter dominado a agenda de notícias em 2020, mas para muitas pessoas a crise climática agravou ainda mais a situação para as suas vidas e os respetivos meios de subsistência. Veja aqui quais os maiores desastres do ano passado!

incêndios florestais
As chamas alcançaram os 70m de altura em alguns sítios da Austrália durante os incêndios florestais.

Sejam incêndios na Austrália e nos Estados Unidos, inundações na China, Índia e Japão ou tempestades na Europa e na América, quase todas as partes do globo foram afetadas por desastres relacionados com o clima em 2020, com resultados catastróficos para milhões de pessoas.

Aqui ficam os dez eventos mais devastadores do ponto de vista financeiro, cada um deles acumulando perdas de, no mínimo, um bilião de dólares. A maioria destas estimativas é baseada em perdas seguradas, portanto, o número real provavelmente será muito maior.

Serão também destacados cinco eventos adicionais que, embora tenham perdas financeiras menores, foram igualmente prejudiciais, como as cheias no Sudão do Sul e no Paquistão, que mataram mais de 500 pessoas e devastaram meios de subsistência.

No relatório 'Production Gap', o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente afirma que, para alcançar a meta do Acordo de Paris de manter o aquecimento global em 1.5 °C, o mundo precisa de reduzir a produção de combustível fóssil em 6% por cada ano entre 2020 e 2030.

Os desastres mais significativos de 2020

Como foi referido acima, a lista que se segue mostra as dez catástrofes climáticas mais caras, seguidas de outras cinco igualmente desastrosas, mas com perdas económicas menores.

  • Austrália: incêndios florestais - custo de 5 biliões de dólares;
  • África Oriental: praga de gafanhotos - custo de 8,5 biliões de dólares;
  • Europa: tempestades Ciara e Alex - custo de 5,9 biliões de dólares;
  • Baía de Bengala: ciclone Amphan - custo de 13 biliões de dólares;
  • EUA e América Central: temporada recorde de furacões no Atlântico - custo de 40 biliões de dólares;
  • China: inundações - custo de 32 biliões de dólares;
  • Índia: inundações - custo de 10 biliões de dólares;
  • Japão: inundações de Kyushu - custo de 5 biliões de dólares;
  • Paquistão: inundações - custo de 1,5 biliões de dólares;
  • EUA: incêndios na costa oeste - custo de 20 biliões de dólares;
  • Rússia: onda de calor na Sibéria;
  • Sul do Sudão: inundações;
  • América do Sul: incêndios;
  • Filipinas: Tufões Goni e Vamco;
  • Vietname: inundações.

Este novo ano oferece uma grande oportunidade para colocar o mundo no caminho certo, podendo usufruir de uma recuperação ecológica global, acelerando a transição para as zero emissões.

2021 contará com a Cimeira do Clima da ONU (COP26) que irá ocorrer em Glasgow, onde os países devem apresentar medidas atualizadas para enfrentar as alterações climáticas e apoiar as comunidades vulneráveis na linha de frente desta crise climática.