O que é a COP26 e porque é importante a Cimeira do Clima em Glasgow?

Após dois anos de interregno, os países vão reunir-se em novembro, em Glasgow (Reino Unido), para a COP26, a conferência do clima da ONU, vista como a mais importante desde o Acordo de Paris em 2015. Eis o que está em jogo!

Ativistas; cartaz; COP26; alterações climáticas
Ativistas seguram cartazes que apelam à ação climática, chamando a atenção com uma das frases mais impactantes em relação ao perigo das alterações climáticas: "Não há planeta B".

Atrasada um ano devido à pandemia do coronavírus (covid-19), a COP26 trata-se da conferência do clima mais importante da ONU desde que o Acordo de Paris foi assinado em 2015, uma vez que pretende ser um teste de solidariedade global entre os países mais ricos e os mais pobres do mundo. Chefes de estado, diplomatas, líderes empresariais, ativistas e jornalistas vão encontrar-se pessoalmente em Glasgow (Reino Unido) de 31 de Outubro a 12 de Novembro.

Os anfitriões pretendem dar um passo em frente na ação climática e manter vivo o Acordo de Paris: limitar o aumento da temperatura global a 1,5 ºC. Reduzir as emissões mais rapidamente, adaptar a uma nova era de impactos climáticos e aumentar o apoio financeiro que os países em desenvolvimento precisam para construir economias com baixa necessidade de carbono e resilientes.

O que é uma “COP”?

"COP" é a abreviatura para “Conference of the Parties”, em português, Conferência das Partes, que se refere à reunião dos 197 membros da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, conhecida como “UN Climate Change”. As conversas do clima são organizadas todos os anos por um país diferente e reúnem delegados de cada governo nacional para fazer avançar os esforços globais de prevenção do perigo das alterações climáticas. A primeira COP teve lugar em Berlim (Alemanha) em 1995. Este ano ocorrerá a 26 ª COP.

São discutidos os mecanismos legais de responsabilidade dos governos, que reúnem políticos, líderes empresariais, ativistas e jornalistas, envoltos num discurso sobre o significado da ação climática no mundo real. Os responsáveis da COP26 são o Reino Unido e a Itália. Como anfitrião do evento principal, o governo britânico tem o papel mais importante, em coordenação com a administração descentralizada na Escócia. A Itália deverá realizar algumas reuniões pré-COP em Milão.

A ambição da COP 26, como é medida?

A presidência da COP26 deve mobilizar uma maior ambição das outras nações. Isto mede-se em relação aos objetivos de temperatura do Acordo de Paris. 197 países concordaram em reduzir coletivamente as emissões para limitar o aumento global da temperatura "muito abaixo de 2 ºC" e esforçar-se por 1,5 ºC.

A UN Climate Change descobriu que planos atualizados até ao final de 2020 colocam o mundo no bom caminho para estabilizar as emissões até 2030. Para parar o aquecimento a 1,5 ºC, os cientistas afirmam que as emissões globais têm de cair 45% em relação aos níveis de 2010 nesse período.

O que os organizadores estão a tentar alcançar?

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson resumiu a agenda da nação anfitriã para a conferência como: "carvão, dinheiro, carros e árvores".

  • Carvão: O Reino Unido quer fazer da COP26 a cimeira que "consagra o carvão à história". O G7 concordou, em maio, em acabar com o apoio direto do governo à energia do carvão até ao final de 2021 - mas evitou estabelecer uma linha temporal de saída para queimar o combustível. A Itália está a tentar orquestrar uma promessa semelhante do G20, contra a resistência de países como a China, Rússia e Índia.
  • Dinheiro: Os países desenvolvidos concordaram em 2009 em mobilizar 100 mil milhões de dólares por ano em financiamento climático para o mundo em desenvolvimento até 2020. Na última contagem, faltavam 20 mil milhões de dólares. A Alemanha e o Canadá foram encarregados de fazer um plano para colmatar a lacuna antes da COP26. O próximo passo é perceber o financiamento coletivo para além de 2025, para além de várias iniciativas para "deslocar os triliões" de dinheiro do setor privado para a obtenção de emissões globais líquidas zero até meados do século.
  • Automóveis: O Reino Unido espera acelerar a mudança para veículos elétricos, propondo um prazo de 2040 para a venda dos últimos automóveis a gasolina. Estabeleceu um Conselho de Transição de Veículos com Emissões Zero.
  • Árvores: A resolução da desflorestação é outro objetivo do Cop26. Juntamente com os EUA e a Noruega, o Reino Unido lançou a Leaf Coalition, que visa reduzir as emissões resultantes da desflorestação.

Os negociadores pretendem incluir regras de um novo mercado global de carbono bem como chegar a acordo sobre as regras de transparência para a comunicação das reduções de emissões.

E quanto à pandemia de Covid-19?

Os organizadores estão a planear a presença de cerca de 20.000 pessoas na COP26, apesar da ameaça contínua de infeções por Covid-19. A saúde e segurança dos participantes e da comunidade anfitriã é primordial, com um protocolo Covid-19 a ser posto em prática para a conferência, com testes regulares, máscaras e distanciamento social.