tempo.pt

Novos dados mostram que há 10 vezes mais asteróides do que pensávamos.

O telescópio espacial Gaia, da Agência Espacial Europeia, que foi lançado em 2013, lançou uma série de dados que permitiram criar um mapa 3D da nossa Via Láctea. Saiba mais aqui!

asteroides
Os dados lançados pelo telescópio Gaia permitem avaliar melhor a composição dos asteroides.

Esta conclusão provém dos resultados de um enorme lançamento de dados, no início deste mês, do telescópio espacial Gaia da Agência Espacial Europeia, que foi lançado em 2013 e desde então tem vindo, gradualmente, a criar um mapa 3D cada vez mais detalhado da nossa galáxia da Via Láctea.

O chamado conjunto de dados "DR3" inclui mais de 150 mil objetos no sistema solar, a maioria dos quais asteróides - embora também contenha algumas luas.

"Com base em Gaia DR3, os investigadores finlandeses irão alterar a perceção dos asteróides no nosso sistema solar", disse Karri Muinonen, professora da Universidade de Helsínquia, Finlândia, que esteve envolvida na nova publicação de dados.

O rigor dos dados e a mais-valia que estes trazem

Pensa-se que os novos dados irão ajudar significativamente os astrónomos no cálculo de órbitas precisas para os asteróides. Isto porque os dados de Gaia acrescentam as propriedades físicas dos asteróides. Em vez de os ver apenas como um ponto de luz, a sua astrometria -precisar as medições das posições e movimentos - acrescenta dados sobre o seu tamanho, forma, rotação e propriedades de dispersão da luz de superfície.

Algo que a publicação de dados Gaia DR3 também revelou foi a cor de cerca de 60 mil asteróides, algo que só era conhecido por um punhado de asteróides de antemão. Isso vai ajudar os astrónomos a determinar do que são feitos, o que conta uma história sobre a sua origem - e efetivamente a evolução de todo o Sistema Solar.

O lançamento dos dados do Gaia DR3, no dia 13 de junho de 2022, foi um grande momento para a astronomia que não teve a cobertura mediática que merece. Cerca de 50 artigos científicos foram publicados a partir de novos e revolucionários dados de Gaia sobre as composições químicas, temperaturas, cores, massas, brilhos, idades e velocidades radiais ("oscilações") das estrelas.

Para além de revelar muito mais asteróides do que se pensava existir anteriormente, DR3 contém o maior catálogo binário de estrelas de sempre para a Via Láctea, bem como milhões de galáxias para além da nossa Via Láctea.

Telescópio Gaia

Gaia foi lançado a 19 de dezembro de 2013 a partir do Centre Spatial Guyanais e tem vindo a observar, desde o mesmo ponto Lagrange, L2 onde reside o Telescópio Espacial James Webb (JWST). A cerca de 1.6 milhões de km da Terra, é neste ponto preciso do espaço que a nave se encontra em equilíbrio gravitacional no sistema Terra-Lua-Sol.

Gaia observa as estrelas em vastos círculos. Estuda o cosmos utilizando dois telescópios óticos e três instrumentos científicos, que lhe permitem medir as posições dos objetos, a rapidez com que se movem e o seu aspeto.

O que distingue Gaia de outros telescópios é a capacidade de detalhar os objetos que observa na nossa galáxia e, desta forma, permitir que tenhamos um conhecimento mais aprofundado da mesma.

Até agora, recolheu dados novos e/ou mais detalhados sobre quase dois mil milhões de objetos na nossa galáxia e no cosmos circundante. Espera-se que continue a observar até 2025.