tempo.pt

Misteriosa espiral de luzes azuis ilumina céu noturno da Nova Zelândia

Uma intrigante espiral de luzes azuis foi vista da ilha Stewart/Rakiura, Nova Zelândia, no passado domingo, 19 de junho. Teorias da comunicação social sobre as suas origens variaram desde alienígenas, a foguetões estrangeiros e a expositores de luzes comerciais. Mas afinal, que fenómeno era este?

espiral de luzes azuis; Nova Zelândia
Misteriosa espiral de luzes azuis observada no céu noturno da Nova Zelândia "incendiou" as redes sociais com teorias acerca da sua origem no passado domingo, 19 de junho. Afinal, que fenómeno foi este?

Os observadores de estrelas na Nova Zelândia ficaram perplexos com estranhas formações de luz em espiral no céu noturno do passado domingo 19 de junho. Por volta das 19:25 (hora local), Alasdair Burns, um guia de observação de estrelas na Ilha Stewart/Rakiura, recebeu um SMS de um amigo: ‘Vai lá fora e olha para o céu’. Burns diz que assim que pôs um pé fora de casa, tornou-se muito óbvio aquilo a que o seu amigo se estava a referir.

Burns avistou uma enorme espiral de luzes azuis no meio da escuridão. "Parecia uma enorme galáxia em espiral, simplesmente pendurada no céu e lentamente à deriva", disse Burns. "Uma sensação bastante assustadora".

Burns tirou algumas imagens das luzes em longa exposição, captando a espiral a partir do seu telefone. "Batemos rapidamente às portas de todos os nossos vizinhos para os tirar de lá também". E pouco depois, já eram cinco, todos juntos numa varanda partilhada, a olhar para cima e a perder um pouco a compostura, tamanha era a admiração e perplexidade com o fenómeno que ocorria diante dos seus olhos.

Os grupos de observadores de estrelas e entusiastas da astronomia espalhados pelas redes sociais do país ficaram repletos de testemunhos de pessoas a colocar fotografias e questões sobre o intrigante fenómeno, visível também desde uma grande parte da Ilha Sul. As teorias sobre tal acontecimento começaram a “multiplicar-se como cogumelos”: desde a possibilidade de serem OVNI’s (Objetos Voadores Não Identificados) a foguetões estrangeiros ou até mesmo expositores de luzes comerciais.

Os comentários não paravam de sugerir assustadoras teorias: "Premonição do nosso buraco negro orbital", disse um observador de estrelas. "Alienígenas de novo", escreveu outro.

Afinal, o que nos diz a Ciência sobre o fenómeno observado na Nova Zelândia?

De acordo com Richard Easther, físico e professor na Universidade de Auckland, este acontecimento era, na realidade, provavelmente um pouco mais corriqueiro ou até mesmo vulgar. O físico, que chamou ao fenómeno "estranho mas facilmente explicado", explicou que nuvens ou espirais deste género costumam acontecer em certas ocasiões quando um foguetão transporta um satélite para órbita.

"Quando o propulsor é ejetado por trás, tem-se o que é essencialmente água e dióxido de carbono – que forma de maneira efémera uma nuvem no espaço que fica iluminada pelo Sol", disse Easther. Segundo o professor, a geometria da órbita do satélite bem como a maneira como nos colocamos em relação ao Sol é a combinação perfeita de aspetos para originar estas nuvens com uma aparência completamente maluca, cuja observação se tornou possível da Ilha Sul.

Easther acrescentou ainda que o foguetão em causa estaria provavelmente relacionado com o lançamento de um satélite da Globalstar, efetuado pela SpaceX (empresa pertencente ao magnata Elon Musk) em órbita terrestre baixa ao largo do Cabo Canaveral, na Flórida (EUA), nesse mesmo domingo, 19 de junho.

Burns adivinhara que a espiral seria provavelmente um foguetão, porque já havia lido acerca de um fenómeno semelhante ocorrido em 2009, quando um lançamento de mísseis efetuado pela Rússia provocou enormes espirais azuis sobre o céu da Noruega. Mesmo assim, segundo o próprio, “Nenhum de nós jamais tinha visto algo parecido antes. Foi espetacular".