Maior máquina de captura de carbono do mundo foi instalada na Islândia

Orka, a maior máquina de sucção de carbono do mundo já está a funcionar na Islândia. Embora se tenha sugerido que seria uma solução para as alterações climáticas, a verdade é que está longe disso.

Orca
Orka obtém o CO2 do ambiente e injeta-o na crosta terrestre.

Orka é o nome da maior máquina de captura de carbono alguma vez construída. O seu objetivo é transformar o CO2 em rocha. Na Islândia, onde foi colocada em funcionamento, gerou uma grande euforia, mas ainda não é claro se funciona realmente como pretendido. De acordo com a National Geographic, o seu custo de construção atingiu 15 milhões de dólares.

Independentemente da sua utilidade real, o que fica claro é que uma única destas máquinas está longe de ser capaz de combater a emergência climática global. O projeto levou vários anos de investigação e a máquina responsável pela captura de carbono foi instalada no sudeste da Islândia, em Hellisheidi. Atualmente é a maior na captura direta de CO2 de todo o planeta. Por sua vez, o The Science Times salientou que Orka foi concebida para absorver e armazenar dióxido de carbono no subsolo.

A Islândia é uma ilha vulcânica muito ativa, e Hellisheidi é conhecida em todo o país por ter enormes instalações geotérmicas. A construção foi realizada pelas empresas Carbfix da Islândia e Climeworks da Suíça, e obtêm o carbono diretamente do ar. Escolheram dar-lhe o nome de Orka, que na língua local significa energia.

O modelo de negócio por detrás da máquina

Segundo os fabricantes, a máquina tem a capacidade de capturar e processar 4.000 toneladas métricas de CO2 anualmente. Para compreender a escala, esse volume de CO2 está correlacionado com as emissões de pouco menos de 800 automóveis particulares. Também pode-se dizer que essa quantidade de CO2 é o que 250 americanos produzem anualmente. Assim, aqueles que inicialmente sugeriram que a máquina ia ser uma solução contra as alterações climáticas foram demasiado otimistas. Como diz o ditado, "quando a esmola é grande, até o santo desconfia".

O que também é verdade é que tanto a Climeworks como a Carbix não vivem da caridade. O seu modelo de negócio visa especificamente vender esta máquina como um recurso a países que possam estar interessados. Apesar de, efetivamente, capturar algum CO2, seriam necessárias muitas máquinas para atingir um valor realmente significativo.

Até agora, longe do que muitos supunham, o benefício ecológico é insignificante. Tampouco fica claro como os investidores serão capazes de convencer os países a comprar um número considerável das suas máquinas de captura de CO2. Embora a intenção comercial por detrás do projeto seja válida, a verdade é que foi gerada uma expectativa que está longe da realidade.

Como a Orka funciona

Na apresentação da Orka, realizada na Islândia, foi indicado que a máquina pode ser um pilar para alcançar um ambiente mais verde num futuro próximo, livre de emissões nocivas para a atmosfera. A Climeworks apresenta-se como uma empresa empenhada em encontrar estratégias adaptáveis às necessidades da crise climática global. A planta recolhe o dióxido de carbono introduzindo o ar num coletor que contém uma substância filtrante. O processo de captura de do dióxido de carbono é feito em duas fases e é desviado para oito contentores coletores, que são caixas metálicas com aspeto de contentores marítimos.

Ventiladores
Os ventiladores são os responsáveis de captar grandes quantidades de ar que depois são filtrados para obter o CO2.

A tecnologia de captura direta de ar funciona com ventiladores gigantes que colocam o ar ambiente em contacto com uma solução aquosa que captura o dióxido de carbono e o empurra para uma armadilha. Primeiro, o ar é sugado por um ventilador para o interior do coletor. O dióxido de carbono retido no interior do coletor é capturado posteriormente pelo material filtrante extremamente seletivo.

Em segundo lugar, uma vez carregado o material filtrante, o coletor é fechado e a temperatura é aumentada para entre 80 e 100 °C para libertar o gás e recolher o CO2 altamente purificado e concentrado. O carbono é então combinado com água antes de ser injetado na rocha basáltica adjacente, onde petrifica, a uma profundidade de 1.000 metros. No outro extremo, a máquina liberta ar limpo sem CO2.