tempo.pt

Fotografias raras captam arco-íris lunar e aurora ao mesmo tempo

Fotógrafos do Canadá e do Norte da Europa captam dois fenómenos atmosféricos raros ao mesmo tempo, um arco-íris lunar e uma aurora boreal - uma oportunidade tão extraordinária que é vista como única na vida.

Fotografias raras captam arco-íris lunar e aurora ao mesmo tempo
Fotografia raríssima mostra um arco-íris lunar e uma aurora boreal ao mesmo tempo. (Imagem: Dar Tanner)

Fotógrafos do hemisfério norte depararam-se com condições meteorológicas surpreendentes nos últimos dias, tirando fotografias tão raras que foram vistas como únicas na vida. As imagens impressionaram pessoas pelo mundo inteiro nas redes sociais.

O fotógrafo Dar Tanner captou a imagem de uma aurora boreal junto de um arco-íris lunar. A fotografia foi tirada em Castor, uma cidade da província de Alberta, no Canadá. Tanner é um caçador de auroras boreais que já fotografou também no norte da Europa, e mencionou no seu Twitter que foi a primeira vez que captou ambos os fenómenos ao mesmo tempo.

Os mesmos fenómenos também foram captados pelo fotógrafo Andy Walker em Durness, uma cidade localizada no norte da Escócia. Walker disse ao Daily Record que mora no local há cinco ou seis anos, e nunca viu um arco-íris lunar antes.

O fotógrafo também mencionou que “Houve um pouco de sorte envolvida. Eu estava no lugar certo à hora certa. Cerca de 10 minutos depois de começar a tirar fotos, a chuva parou e desapareceu atrás de uma nuvem. Foi um momento único na vida.

O arco-íris lunar forma-se da mesma maneira que o arco-íris comum, contudo a fonte de luz neste caso é a lua e não o sol. Embora a física de ambos seja a mesma, o arco-íris lunar é muito menos luminoso, porque a luz lunar é mais fraca do que a luz solar.

Porque é que o arco-íris lunar é tão raro?

Existem várias razões pelas quais o arco-íris lunar é visto com muito menor frequência do que o solar. Quando a lua e o sol estão ao mesmo tempo no céu, apenas o arco-íris solar pode ser visto. Isso, por si só, já significa que o arco-íris lunar poderia formar-se muito menos que o solar.

Além disso, a lua passa por fases e, portanto, mesmo à noite, pode não emitir luz suficiente para produzir um arco-íris percetível. Por isso, geralmente o fenómeno só é capturado em noites de lua cheia.

Finalmente, as chuvas convectivas capazes de formar um arco-íris são muito mais frequentes durante o dia, e a sua ocorrência durante a noite é mais rara.

E quanto à aurora?

A raridade da aurora dá-se principalmente pela limitação geográfica: Este fenómeno forma-se apenas próximo aos polos norte e sul do planeta. A aurora é um fenómeno que ocorre devido à colisão entre gases atmosféricos e partículas carregadas provenientes do Sol, guiadas pelo campo magnético da Terra até aos pólos.

Cada gás (oxigénio e nitrogénio) emite uma cor particular dependendo da energia das partículas e da composição atmosférica, que varia com a altitude. A cor vermelha surge em altitudes próximas aos 250 km, enquanto as faixas verdes se formam a altitudes menores, de cerca de 100 km.

As auroras que se formam no pólo norte são chamadas de auroras boreais e são as mais conhecidas, mas o fenómeno também se forma no pólo sul, sobre a Antártida. Neste caso, passa a ser chamado de aurora austral.

Isto significa que os portugueses poderão ser capazes de observar um arco-íris lunar, mas nunca poderão observar uma aurora no país.

Ainda assim, para aqueles que gostam de viajar, existe uma boa notícia: Auroras austrais, embora muito raramente, podem ser observadas no extremo sul da América do Sul, como na cidade de Ushuaia, na Argentina.