tempo.pt

Eventos causados pelo El Niño tornar-se-ão mais frequentes em 2040

Um novo estudo revelou que os eventos climáticos causados pelo El Niño irão provavelmente tornar-se mais frequentes nas próximas duas décadas, independentemente de qualquer redução nas emissões de carbono, o que poderá afetar drasticamente os padrões climáticos de todo o mundo.

corais; branqueamento de corais; El Niño
Branqueamento de corais devido ao El Niño na Indonésia.

Num artigo intitulado "Emergence of Climate Change in the Tropical Pacific", publicado na revista Nature Climate Change, uma equipa de investigadores analisou quatro cenários possíveis para as emissões mundiais de carbono e determinaram o risco de um número crescente de eventos do El Niño.

Os investigadores ficaram surpreendidos ao descobrir que os eventos do El Niño podem provavelmente aumentar, independentemente do cenário de emissão de carbono que considerassem, devido à quantidade de dióxido de carbono já libertado na atmosfera, o que os levou a acreditar que as mudanças nos padrões meteorológicos são "inevitáveis", disse o co-autor Mat Collins, da Universidade de Exeter e parte do Global Systems Institute.

As alterações ao El Niño podem alterar drasticamente os padrões meteorológicos e criar condições ambientais que podem levar à seca, inundações e incêndios florestais que afetam os preços e os abastecimentos alimentares e provocar "consequências económicas e políticas", segundo a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA).

Impacto económico

34 mil milhões de dólares. Foi quanto custou o El Niño em prejuízos económicos entre 1997 e 1998, uma das temporadas mais extremas do El Niño jamais registada na história, de acordo com os dados da NOAA.

Antecedentes-chave

Durante o El Niño, as águas da superfície do Oceano Pacífico central e oriental aquecem significativamente mais do que o habitual, o que provoca alterações nos padrões de vento e humidade nos continentes circundantes.

La Niña é a versão mais fria do El Niño, usada para referir quando a temperatura da superfície da água cai, e em conjunto os dois formam o ciclo da Oscilação Sul do El Niño. As alterações climáticas causadas pelos eventos do El Niño deram origem a algumas das inundações mais extremas, secas, incêndios florestais e outras catástrofes naturais ao longo dos últimos 50 anos.

Entre 1997 e 1998, o El Niño contribuiu para o registo de chuvas na Califórnia, uma das piores secas registadas na Indonésia e inundações mortais na Europa Central, que mataram 115 pessoas.

Um estudo revelou que as inundações causadas pelo El Niño em 2014 e 2015 criaram um ambiente que levou a um surto do vírus Zika transmitido por mosquitos, em 2016.

Como poderá ser no futuro?

As mudanças futuras no clima do Pacífico tropical e as características do El Niño/Oscilação do Sul (ENSO) são estabelecidas como sendo prováveis. Determinar o momento do aparecimento dos sinais de mudança climática, a partir da variabilidade natural, é fundamental para as estratégias de mitigação e planeamento da adaptação.

Estima-se que o fenómeno El Niño se intensifique nos próximos anos, dando lugar a mais precipitação e a mais secas extremas.

Os investigadores, utilizando um conjunto multimodelo, verificaram que o sinal anual da temperatura média da superfície do mar (SST) já surgia em grande parte do Pacífico tropical, aparecendo em último lugar no Leste. Espera-se que o sinal de uma precipitação anual mais húmida no Leste surja em meados do século, com alguma sensibilidade ao cenário de emissões.

No entanto, prevê-se que o sinal de variabilidade de pluviosidade relacionado com o ENSO surja por volta de 2040, independentemente do cenário de emissão.