Dia Internacional da Conservação do Solo

Hoje, domingo 7 de julho, como todos aqueles desde o ano 1963, celebra-se o Dia Internacional da Conservação do Solo, em memória do investigador Hugh Hammond Bennett (15 abril 1881 – 7 julho 1960), pioneiro na luta contra a erosão.

Alfredo Graça Alfredo Graça 07 Jul. 2019 - 16:29 UTC
O solo é um sistema muito complexo e frágil, essencial no suporte para todas as formas de vida.

No seu tempo, Bennett, que publicou a maioria dos seus trabalhos por volta das décadas de 1920 e 1930 nos EUA, defendia ativamente o aumento da produção de terra mediante uma maior proteção e uma melhor gestão para combater a seca e a desertificação. Uma das mais célebres expressões daquele que foi considerado como o pai da conservação do solo foi: “O solo produtivo é o fundamento de uma agricultura perdurável sem a qual não pode haver prosperidade nem progresso”.

A consciencialização social é primordial para conservar e proteger o solo

O objetivo que perseguia Hammond e que se trata do principal propósito deste dia, é o de consciencializar as pessoas na importância fundamental que a terra tem dentro do frágil equilíbrio do meio ambiente. Num mundo onde se fala continuamente acerca das alterações climáticas, quase ninguém parou para pensar como afeta a contaminação ou a exploração excessiva dos solos na progressiva destruição do meio ambiente, colocando em risco a sobrevivência das espécies.

Outras ações como a desflorestação e as queimadas desreguladas e uso de fertilizantes artificiais podem provocar um elevado grau de erosão e com ele o empobrecimento de um componente tão básico e necessário para a vida como é o solo.

O solo é um sistema muito complexo e frágil

O solo na verdade é um sistema que muda constantemente (dinâmico) o que o torna num recurso altamente complexo. Não serve apenas como suporte para todas as formas de vida, como as plantas e os animais, como também serve de substrato para o crescimento da vegetação garantindo os nutrientes necessários para todas as espécies.

Diz-se que um solo apresenta boa qualidade quando revela condições adequadas para cumprir a sua função para a produção. O uso irracional do solo em comunhão com a exploração insustentável dos recursos hídricos, provocam uma progressiva alteração das suas propriedades, podendo traduzir-se numa perda parcial ou total da sua capacidade de produzir, designando-se este fenómeno de diminuição ou perda da qualidade do solo como “degradação”.

Erosão, um processo perigoso de degradação

O processo da erosão é sem dúvida o mais grave de todos os processos de degradação, definindo-se como a perda das camadas mais férteis do solo, ou seja, de grande parte das suas condições para ser produtivo. Além dos referidos fatores antrópicos, relacionados com a negligente e excessiva utilização do uso do solo por parte do ser humano, há situações diversas em que a erosão pode ser causada através da ação de agentes meteorológicos como a água ou o vento.

Devido a estes processos, algumas das camadas mais superficiais são arrancadas e arrastadas da sua localização original, tendo como resultado final o surgimento de terras muito pouco produtivas e inclusive inférteis, sendo que esta condição se torna praticamente irreversível em grande parte dos casos.

Ações que pode realizar para celebrar o Dia Internacional da Conservação do Solo

  • Utilizar fertilizante orgânico ou húmus de minhoca;
  • Realizar semeação directa;
  • Associar colheitas para o controlo das pragas;
  • Rotação inteligente de famílias de colheitas.
Publicidade