tempo.pt

Como é que um mundo mais quente afeta os seus filhos?

As alterações climáticas não só exercerão efeitos diretos, tais como temperaturas ambiente mais elevadas em muitas regiões, como também será responsável por efeitos indiretos que podem afetar os hábitos das crianças.

A capacidade aeróbica das crianças está a diminuir e as reservas de gordura estão a aumentar nos jovens de todo o mundo.

As crianças lidam com as temperaturas elevadas de uma forma diferente em relação aos adultos, em grande parte devido às proporções do seu corpo e aos mecanismos de perda de calor em comparação com os humanos completamente maduros. À medida que o aquecimento da Terra continua a acelerar, as crianças estão destinadas a suportar a pior parte do risco para a saúde.

Influência do aquecimento global na fisiologia infantil

Um estudo recente afirma que as admissões de crianças mais novas em salas de emergência aumentam quando as temperaturas ambiente são mais elevadas.

Isto deve-se ao facto de os pré-adolescentes terem uma regulação térmica diferente da dos adultos, o que afeta a sua capacidade de se verem livres do calor sob certas condições ambientais.

Quando a temperatura exterior é superior à corporal, as crianças tendem a sobreaquecer mais rapidamente do que os adultos, uma vez que têm mais superfície do que o peso corporal. Além disso, têm mecanismos de suor imaturos e suam menos do que os adultos, pelo que são menos capazes de se livrarem do calor mediante a evaporação do suor.

Outro fator importante a considerar é o excesso de peso. As crianças com peso extra tendem a gerar mais calor ao mover uma massa corporal maior, tornando mais difícil a sua dissipação de calor e são mais lentas a adaptar-se a temperaturas elevadas.

Adaptação futura

À medida que o clima do planeta e os padrões meteorológicos se tornam mais extremos, as crianças podem tornar-se menos capazes de o tolerar.

Um mundo mais quente aumenta a probabilidade de novas doenças entrarem na população humana, algo que poderia novamente desencadear restrições de movimento devido a tais surtos, criando um ciclo vicioso de isolamento, desengajamento físico e aumento do risco de lesões por calor, especialmente para as populações vulneráveis, tais como crianças pré-adolescentes.

O bom estado físico tem um impacto direto na tolerância ao calor.

Com as projeções do aquecimento global que sugerem, no mínimo um aumento de 2 °C na temperatura média global até 2100, contando com a alteração do equilíbrio dos ecossistemas e dos fenómenos meteorológicos extremos que acompanham estes aumentos, as atuais políticas de alterações climáticas não respondem adequadamente às necessidades de saúde infantil.

Os especialistas recomendam a manutenção de uma boa condição física durante a infância com base na atividade física diária e repetitiva. Isto irá garantir uma resistência básica para enfrentar os desafios do aquecimento global e outros desafios ambientais que se manifestarão na nossa vida quotidiana, muitos deles associados às alterações climáticas.