Doenças mentais e alterações climáticas: o que têm em comum?

Um novo estudo realizado por investigadores da Universidade de Bath, no Reino Unido, alerta para o perigo de que os jovens "se sintam traídos" pela inação dos governos perante a crise climática. Saiba mais aqui!

Protesto Climático
Estudantes protestam na Alemanha com o objetivo de serem tomadas mais medidas contra as alterações climáticas, num movimento internacional chamado "Fridays For Future". Fonte: Globo

A saúde mental é uma preocupação crescente em grande parte dos países do mundo. Segundo os dados do Inquérito Nacional de Saúde da ENSE, elaborado pelo Ministério da Saúde, Consumo e Acção Social, em Espanha, antes da pandemia, 1 em cada 10 adultos e 1 em cada 100 crianças tinha um problema de saúde mental. As causas são tão variadas quanto difíceis de resolver.

Na verdade, até hoje, continuamos a descobrir novos dados. Uma das mais relevantes é a relação que a crise climática tem com esses problemas psicológicos.

Os investigadores da Universidade de Bath, no Reino Unido, realizaram um estudo baseado em entrevistas com 10.000 jovens entre os 16 e 25 anos em 10 países. Os resultados mostraram que 75% dos inquiridos consideram que “o futuro é assustador”. Esta percentagem disparou para 81% em Portugal e 92% nas Filipinas.

A ansiedade causada pela inação dos governos perante o aquecimento global

Uma das descobertas mais relevantes do estudo é que a ansiedade causada pelas alterações climáticas está intimamente relacionada à inação que os governos de cada país têm diante do problema do aquecimento global, o que, segundo os investigadores, provoca nos inquiridos a sensação de se sentir traído.

Caroline Hickman, autora principal, explica que o estudo mostra uma imagem aterrorizante da prevalência da ansiedade climática nos jovens. Além disso, relaciona pela primeira vez as ações dos governos (ou a sua ausência) com o stress psicológico em jovens.

De facto, 58% dos sujeitos do estudo afirmaram diretamente que o nosso governo nos está a trair, assim como às gerações futuras. Além disso, 64% consideraram que as autoridades não estão a fazer o suficiente para evitar a catástrofe climática.

O estudo encontrou uma alta prevalência de stress psicológico em jovens em todo o mundo. Os investigadores alertam que estes elevados níveis de preocupação e sentimentos de traição terão um impacto negativo na saúde mental das crianças e jovens.

Sugerem também que todos os impactos psicológicos da inércia climática por parte dos governos têm repercussões tão sérias na saúde dos cidadãos, e que não fazer nada poderia ser uma violação do Direito Internacional dos Direitos Humanos.

Mitzi Tan, um filipino de 23 anos, diz que "Cresci com medo de me afogar no meu próprio quarto. A sociedade diz-me que essa ansiedade é um medo irracional que precisa ser superado. As raízes da nossa ansiedade climática nascem da desconfiança e do sentimento de traição que temos em relação aos nossos governos. Para nos curarmos, precisamos de justiça.".

Quase 60% dos jovens estão muito preocupados com as alterações climáticas

Os dados recolhidos pelos investigadores lançam uma luz sobre os pontos de vista dos jovens em todo o mundo sobre uma ampla gama de questões. 59% dos jovens entrevistados estão muito ou extremamente preocupados com as alterações climáticas.

Mais da metade dos participantes disseram sentir medo, tristeza, ansiedade, stress, raiva, impotência ou culpa. 55% consideram que terão menos oportunidades do que os seus pais. 65% acreditam que os governos estão a falhar com os jovens. Quase metade (48%) disse que, quando conversa com outras pessoas sobre as alterações climáticas, se sente ignorada ou desvalorizada.