tempo.pt

Atividade vulcânica em Tonga aumenta à medida que uma ilha volta a emergir

Uma erupção vulcânica subaquática fez com que uma ilha que se encontrava debaixo das ondas, Home Reef em Tonga, emergisse até cerca de 10 metros acima do nível do mar. Saiba mais aqui!

Tonga Home Reef
Home Reef Tonga foi noticiado pela primeira vez em meados do século XIX, quando se formou uma ilha efémera. Créditos: Smithsonian Institution; National Museum of Natural History; Global Volcanism Program.

Home Reef é uma ilha vulcânica no topo de um vulcão submarino a meio caminho entre Metis Shoal e Late Island, nas ilhas centrais de Tonga (Pacífico Sul). O vulcão Tonga Home Reef entrou em erupção, no dia 9 de setembro de 2022, com eventos de erupção a aumentar durante 48 horas. Uma ilha submarina vulcânica reapareceu 10 metros acima do nível do mar e continua a crescer, segundo os Serviços Geológicos de Tonga.

A atividade vulcânica representou baixos riscos para a aviação, mas todos os marinheiros foram avisados para se manterem afastados da área. O vulcão libertou gás para a atmosfera até 1 km acima do nível do mar, tendo sido emitido um alerta de perigo a todos os fuzileiros para navegarem a pelo menos 5 km de distância do vulcão.

A erupção do vulcão Home Reef apresentou pouco risco para os moradores de Vava'u e Ha'apai, que estão entre as ilhas mais populosas de Tonga, segundo um comunicado da equipa de vigilância do serviço meteorológico.

As erupções em Tonga

Em janeiro deste ano, a erupção do vulcão Hunga-Tonga devastou a ilha do Pacífico ao provocar um tsunami, que afetou o Pacífico, do Japão ao Peru e aos EUA. A ilha chegou a ficar um mês com a rede de comunicação cortada devido aos estragos causados num cabo submarino. A erupção foi considerada uma das mais fortes dos últimos tempos.

O desastre natural que atingiu Tonga deixou pelo menos três mortos e afetou mais de 80% da população. Casas foram destruídas e cidades ficaram cobertas de cinzas. Fontes de água potável também foram contaminadas. A catástrofe levou ainda ao primeiro surto de Covid-19 no país desde o início da pandemia, após a chegada de ajuda humanitária.

O impacto da erupção e do tsunami fizeram-se sentir a nível global, com diferentes escalas de intensidade, tendo provocado alterações no nível do oceano nos Açores, na Madeira e em Peniche, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera. Segundo a agência AFP, no Peru, duas mulheres morreram numa praia, por causa de "ondas anormais" provocadas pelo vulcão, a mais de 10.000 quilómetros.

As cinzas revestem a ilha

Na erupção mais recente, neste mês de setembro, os cientistas dizem que a ilha Home Reef cresceu de 4.000 para cerca de 24.000 metros quadrados em apenas cinco dias, após a erupção do vulcão aí existente.

As autoridades emitiram um alerta de perigo e colocaram numa zona de restrição em torno do vulcão. O Professor Scott Bryan, especialista em vulcões, da Queensland University of Technology, numa entrevista à ABC, afirmou que as erupções anteriores do Home Reef duraram apenas alguns meses.

Cinzas vulcânicas
As cinzas vulcânicas cobrem os telhados e a vegetação de uma área de Tonga. Fonte: Euronews

Contudo, desta vez, as coisas podem ser diferentes, uma vez que esta erupção efusiva produziu lava, pelo que esta ilha pode durar um pouco mais do que as anteriores.

"Nos próximos milhares de anos esperaria que, se o Home Reef continuar a entrar em erupção com esta frequência, seja capaz de se tornar uma ilha permanente" - afirma Scott Bryan, especialista em vulcões.

De acordo com o Serviço Geológico de Tonga, a monitorização da erupção do Home Reef está em curso com avisos diários emitidos sobre o estado da erupção. A atividade sísmica é bastante comum em torno do arquipélago de Tonga, uma pequena nação com cerca de 100.000 pessoas espalhadas por 171 ilhas, mas os níveis de alerta sofreram um aumento à medida que o ritmo das erupções se acelerava no Home Reef.