O tempo na segunda quinzena de março

Em geral estas próximas duas semanas vão caracterizar-se pela continuidade dominadora do anticiclone dos Açores, vejamos com mais detalhe nos próximos dias.

Alfredo Graça Alfredo Graça 15 Mar. 2019 - 08:11 UTC
O tempo na segunda quinzena de março será essencialmente, seco e soalheiro, devido ao anticiclone dos Açores.


Com o mês de março praticamente já a meio, muitos questionam-se até quando perdurará o tempo soalheiro e predominantemente seco. Outros, preocupados com a falta de chuva, tão habitual nesta época do ano e em especial porque a Primavera está aí à porta, questionam quando voltará a chover novamente.

Pois bem, segundo as mais recentes previsões, não deveremos esperar grandes mudanças no panorama meteorológico até ao final do mês de março. Com exceção de uma ou outra frente fria, que pouco mais resultará em aguaceiros de fraca intensidade, os restantes dias de março serão caracterizados pela presença de um sol em generosas quantidades e pela ausência de chuva, resultando no incremento de seca para grande parte do território português. Este fim de semana, choverá ligeiramente no domingo, em especial na região Norte (litoral) - Viana do Castelo, Braga, Porto - e também um pouco na região Centro.

A terceira semana de março trará uma progressiva subida da temperatura, influenciada pela vinda de uma corrente de leste, que atuando em conjunto com o anticiclone dos Açores propiciará tempo com estabilidade atmosférica, temperaturas a subir, e ausência de precipitação. Aliado a esta realidade, surge outro fator, vindo do Norte de África. Potenciado pelas massas de ar quente em deslocação, as poeiras dirigir-se-ão em direção ao continente, influenciando significativamente o tempo, sobretudo na região Sul - Beja e Algarve.

Estamos a poucos dias da primavera, a estação da instabilidade atmosférica por excelência. Por força da nossa localização geográfica, o nosso país está constantemente no centro de uma “luta” gerada entre as altas e as baixas pressões, o que gera por norma, condições de enorme variabilidade das condições meteorológicas.


Situação de maior destaque é a temperatura

No entanto, este ano, não veremos grandes mudanças no estado de tempo, dado que o anticiclone continuará em pujança máxima, atendendo às projeções realizadas pelo modelo europeu (ECMWF). O tempo continuará seco e soalheiro. Tal como foi referido anteriormente, pouca precipitação ocorrerá até final de março, o que é deveras prejudicial às culturas agrícolas e à fertilidade dos solos, o que acaba por agravar a situação de seca meteorológica que já se começa a viver em algumas regiões do país.

A situação de maior realce dirá sem dúvida, respeito às temperaturas, com a descida das temperaturas mínimas a trazer o provável regresso de geadas e orvalho, sobretudo nos territórios do interior Norte e Centro de Portugal, como nos de Trás-os-Montes e Beira Alta (Bragança, Guarda, Castelo Branco). A partir destas evidências, as manhãs serão frias, com o termómetro próximo dos 0 ºC em muitos locais, no entanto durante a tarde os termómetros registarão subidas significativas na temperatura, sobretudo das máximas. Este cenário fará com sintamos uma significativa amplitude térmica diária. Em suma, atendendo à realidade do panorama do estado de tempo, pode-se afirmar vincadamente “Março marçagão, manhã de Inverno, tarde de verão.”

Publicidade