tempo.pt

Depressão atlântica trará tempo fresco, nuvens e chuva a Portugal

O calor intenso vai continuar mais um dia em Portugal continental, persistindo o risco de aguaceiros, trovoadas e granizo. Mas, a partir de sábado, o estado do tempo vai registar uma mudança radical no nosso país. O que vai acontecer? Consulte a previsão!

depressão atlântica; chuva; tempo; portugal
O estado do tempo em Portugal continental vai mudar de forma abrupta em breve. O que deverá ocorrer?

Ao longo desta semana, o calor tórrido foi o protagonista meteorológico de norte a sul de Portugal continental, com o termómetro a assinalar valores térmicos absurdamente elevados (41 ºC em várias localidades do interior Norte, Centro e Sul).

O país inteiro tem registado temperaturas mais altas do que o habitual para a época do ano desde o início de junho, tendo em conta a normal climatológica de referência, e, inclusive, grande parte do território continental esteve coberto de avisos por tempo quente nos últimos dias.

Como se não bastasse, nestes últimos dias, uma depressão isolada em altitude, em choque com o ar quente acumulado em toda a Península Ibérica, tem sido a responsável pela eclosão de aguaceiros, por vezes localmente fortes, acompanhados de trovoada e por vezes sob a forma de granizo. A instabilidade diminuiu ligeiramente esta quinta-feira, mas, mesmo assim, prevê-se a sua continuidade, de maneira algo dispersa, durante os próximos dias.

Além disso, já hoje, mas com mais ênfase a partir de sábado, a temperatura diminuirá substancialmente em todo o país. O tempo fresco será percetível em todo país, mas sobretudo no litoral a norte do Cabo Carvoeiro.

O calor vai manter-se até sexta-feira, e depois, o que virá?

O tempo para amanhã, sexta-feira 17 de junho, deverá continuar com céu parcialmente nublado em grande parte do país e durante boa parte do dia. A nebulosidade deverá aumentar à tarde, esperando-se aguaceiros dispersos na generalidade das Regiões Norte e Centro, por vezes localmente fortes, e com possibilidade de atividade elétrica (trovoada). Não se descarta nova ocorrência de chuva de granizo. Os distritos potencialmente mais afetados serão Bragança, Vila Real e Guarda.

Quanto à temperatura, prevê-se descida suave das máximas na metade ocidental do país (litoral), e uma ligeira subida das mesmas na metade oriental do território continental (interior). A temperatura máxima mais baixa prevê-se para as capitais distritais de Viana do Castelo e Porto (22 ºC) e a mais elevada para a de Vila Real (34 ºC). O vento soprará de fraco a moderado de Sul, passando a soprar gradualmente do quadrante Oeste. Por vezes será forte, atingindo rajadas de até 60 km/h nas terras altas.

Fim de semana com depressão atlântica e descida significativa da temperatura

No sábado há um cenário que se afigura como cada vez mais provável: a partir do meio da manhã, uma depressão atlântica irá produzir aguaceiros fracos na faixa territorial compreendida entre Viana do Castelo e Lisboa, portanto, em geral, no litoral a norte do Cabo Raso. Poderá distribuir-se, posteriormente, um pouco mais para o interior Norte, pelo que não será de descartar chuviscos fracos em terras de Vila Real. Estará céu pouco nublado ou limpo na Beira Baixa, Ribatejo, Alentejo, Setúbal e Algarve.

A temperatura vai diminuir significativamente de norte a sul do país, graças ao fluxo atlântico (ventos de Oeste) e à própria circulação geral da atmosfera. Isto resultará, em geral, em tempo fresco, ilustrado através das cores azuis expressas no mapa de anomalia térmica negativa, que fará denotar as temperaturas consideravelmente mais baixas do que a normal climatológica de referência no país inteiro.

Para domingo, as cartas sinóticas insistem num cenário de aumento de nebulosidade, com os céus repletos de nuvens nas Regiões Norte e Centro. É enorme a probabilidade de chuva para os distritos de Viana do Castelo, Braga, Vila Real, Viseu, Bragança, Porto, Aveiro, Coimbra e Leiria. Nestes distritos os períodos de chuva ou aguaceiros serão numerosos e, por vezes, abundantes. Para os restantes distritos de Portugal continental a probabilidade de chover é ligeiramente menor.

Será menos provável quanto mais a sul do Tejo, onde se prevê nuvens e bons períodos de sol, além de chuviscos fracos e dispersos. No Algarve, se precipitar, será apenas em pontos isolados do Barlavento Algarvio.

Possível continuidade do tempo fresco no início da próxima semana

Por último, e não menos importante, saliente-se a continuidade do tempo fresco. Para a jornada dominical (próximo 19 de junho) prevê-se que os termómetros assinalem nova descida das temperaturas. Na Região Norte a máxima não irá ultrapassar os 21 ºC, no Centro atingirá somente 24 ºC em Coimbra e Santarém e para o Sul espera-se o mesmo: a máxima não irá além dos 24 ºC em Évora e Beja. O vento deverá soprar forte de Noroeste em toda a fachada atlântica e de Oeste ou Sudoeste no interior do país.

Para segunda-feira e terça-feira, 20 e 21 de junho, é possível que o panorama meteorológico se mantenha semelhante: fresco e com aguaceiros fracos.