O gelo do Ártico sucumbe à "atlantificação"

Novos estudos baseados em dados de satélite mostram como as águas do Atlântico, cada vez mais quentes, estão a afetar negativamente o gelo ártico, anulando o efeito de recrescimento dos meses de inverno.

ghiacci-artici
As águas quentes do Atlântico tornam o gelo do Ártico mais vulnerável. Os resultados de um novo estudo.

Enquanto vários sinais de alarme soam devido ao rápido desaparecimento do gelo marinho no oceano Ártico, os dados de satélite mostram que a intrusão de águas mais quentes do oceano Atlântico está a reduzir o recrescimento do gelo marinho no inverno.

Isto são más notícias porque significa que o gelo ártico é ainda mais vulnerável nesta fase de alterações climáticas aceleradas do que se pensava anteriormente. Esta informação é o resultado de um estudo publicado no Journal of Climate intitulado "Evidence for an Increasing Role of Ocean Heat in Arctic Winter Sea Ice Growth", elaborado graças à utilização de dados de satélite da ESA, a Agência Espacial Europeia.

Gelo ártico sujeito ao calor das águas do oceano

A quantidade de gelo marinho a flutuar no oceano Ártico varia muito à medida que cresce e diminui com as estações do ano. Embora alguns dos gelos mais espessos permaneçam sempre, há uma tendência crescente para o declínio do gelo à medida que as alterações climáticas apertam o seu controlo sobre esta frágil região polar.

O gelo marinho do Ártico atinge o seu máximo por volta do mês de março, após os meses frios de inverno, e depois diminui para um mínimo por volta do mês de setembro, após o derretimento do verão.

No entanto, estas flutuações na extensão do gelo não estão apenas relacionadas com variações sazonais: juntamente com o aquecimento global, à medida que as temperaturas médias globais aumentam, outro elemento que aumenta a vulnerabilidade do gelo ártico é a temperatura da água do oceano.

Investigações anteriores sugeriram que o gelo marinho poderia recuperar parcialmente no inverno após um forte degelo no verão, porque o gelo fino cresce mais rapidamente do que o gelo espesso. Novas descobertas, contudo, indicam que o calor do oceano está a eliminar este efeito estabilizador, reduzindo o volume de gelo marinho que poderia voltar a crescer no inverno. Isto significa que o gelo marinho é mais vulnerável durante os verões mais quentes e durante as tempestades de inverno.

Investigadores: "o processo chama-se atlantificação"

A investigação foi publicada recentemente no Journal of Climate e descreve como os cientistas utilizaram dados de satélite da Climate Change Initiative da ESA para calcular as alterações no volume de gelo marinho ártico entre 2002 e 2019.

Este processo, informam os autores da investigação, entre os quais Robert Ricker, do AWI Helmholtz Center for Polar and Marine Research, na Alemanha, é chamado de "Atlantification" (atlantificação). Em termos simples, significa que o calor do oceano Atlântico transportado para latitudes mais elevadas está a levar ao recuo do gelo marinho.

Os investigadores salientam que não se trata apenas de uma redução do gelo, mas que este processo também leva ao seu enfraquecimento: após um verão particularmente quente, ou ventos fortes, o gelo marinho é ainda menos resistente.

Os investigadores argumentam que mesmo o mecanismo de estabilização verão-inverno que se registava até à data noutras regiões do Ártico poderia ser esmagado no futuro por este processo da "atlantificação".