Rescaldo da passagem do furacão Lorenzo pelos Açores

O Furacão Lorenzo regista uma passagem inédita pelo Arquipélago dos Açores, durante o dia de hoje, tendo gerado maior intensidade na última madrugada, com ventos fortes e agitação marítima destruidora. Confira connosco todas as ocorrências.

João Tomás João Tomás 02 Out. 2019 - 11:36 UTC
Furacão Lorenzo atingiu o arquipélago dos Açores já dentro da categoria 1, com especial impacto no Grupo Ocidental e Grupo Central.

O Furacão Lorenzo atingiu na última madrugada os Grupos Ocidental e Central do Arquipélago dos Açores, com especial incidência nas ilhas das Flores, do Pico, do Faial e de São Jorge. Já classificado como Categoria 1 na Escala de Saffir-Simpson, cerca das 04:00 da madrugada do dia de hoje, hora local, o centro do furacão passou a cerca de 70 quilómetros a Oeste da ilha das Flores, sendo que cerca das 06:00 registou-se a maior proximidade do furação à ilha. Já esta manhã, por volta das 09:00, o olho do furacão situava-se a 90 quilómetros a Norte da mesma ilha, estando a deslocar-se para Nordeste a uma velocidade aproximada de 65 km/h.

As ilhas das Flores, do Faial e do Pico foram as mais afetadas. O furacão atingiu com mais intensidade a ilha das Flores, mas registaram-se mais ocorrências na ilha do Faial, com particular incidência na costa Sul dessas ilhas. As rajadas de vento mais fortes foram registadas na ilha do Corvo (163 km/h), na cidade da Horta (145 km/h) e no Aeroporto das Flores (142 km/h), tendo sido registadas várias rajadas de velocidades superiores a 120 km/h, nas Ilhas dos grupos ocidental e central.

Foram ainda registados cortes no abastecimento de luz elétrica e falhas nas telecomunicações, principalmente na Ilha das Flores. A precipitação intensa, mas principalmente a forte agitação marítima levou ao surgimento rápido de inundações, e consequente destruição de 12 habitações na cidade da Horta, provocando 36 desalojados e 100 realojados. A subida da maré, bem como ondas entre os 10 e os 15 metros de altura, provocaram a destruição de várias infraestruturas portuárias e de parte do molhe do Porto das Lajes das Flores, no Sul da Ilhas das Flores. No conjunto do Arquipélago, foram registadas até ao momento 118 ocorrências, entre estradas obstruídas, danos em habitações, quedas de árvores e inundações, mas sem danos pessoais a registar.

A perspetiva durante o dia e no resto da semana

Durante o dia de hoje vão ser avaliados os prejuízos, a dimensão dos danos materiais, à medida que o furacão se afasta do arquipélago e diminui de intensidade. Estão cerca de 61 estradas cortadas à circulação automóvel. A forte agitação marítima que ainda se regista, põe em causa a navegação, tendo levando ao cancelamento de várias ligações marítimas no Grupo Central, entre as Ilhas do Pico, do Faial e de São Jorge.

A velocidade do vento levou também ao cancelamento das ligações aéreas entre ilhas e de uma ligação aérea entre a cidade da Horta e Portugal Continental. Apesar da velocidade do vento estar progressivamente a diminuir, a agitação marítima continua forte, estando a provocar galgamentos e consequentes inundações nas áreas costeiras, com particular destaque para a cidade da Horta, na Ilha do Faial.

Espera-se que no final da semana, o Lorenzo atinja as Ilhas Britânicas, ainda com intensidade de furacão. As autoridades locais estão já em alerta para os possíveis efeitos deste evento, na população, nos transportes e nas infraestruturas.

Publicidade