O que vai acontecer com as primeiras pegadas humanas na Lua?

A quase ausência de processos erosivos na superfície lunar ajuda a preservar as pegadas deixadas pelos astronautas, mas até quando? Serão parecidas com os dinossauros na Terra? Deveriam ser um património mundial?

Homem na lua
Pegada do piloto do módulo lunar da Apollo 11 Buzz Aldrin na superfície lunar. A sua bota era maior que a de Armstrong, então seria possível individualizar as pegadas de cada uma.

Na noite de 20 para 21 de julho de 1969, a tripulação da missão Apollo 11 alcançou a Lua e, quando Neil Armstrong colocou o pé lá, foi "um pequeno passo para o Homem e um grande passo para a Humanidade". Minutos depois, Buzz Aldrin desceu e, entre outras tarefas, fotografou as suas próprias pegadas como parte de uma investigação sobre a mecânica do solo lunar, mas uma das imagens tornou-se icónica.

Os vestígios deixados pelo homem na Lua fazem-nos repensar o âmbito fora da Terra da icnologia, disciplina que estuda os vestígios ou sinais de atividade deixados em sedimentos ou rochas por organismos vivos.

Quando se comemorou o 50º aniversário deste feito da humanidade em 2019, cientistas da Universidade Nacional de Río Negro (UNRN) e do Conselho Nacional de Investigações Científicas e Técnicas (CONICET) da Argentina estavam justamente nos primeiros rastos deixados pelos astronautas e perguntaram a si mesmos: em que substrato foram estampados? Eles tinham algo especial para aqueles que os deixaram? Eles serão mantidos para sempre?

Estas e outras questões foram levantadas num estudo publicado na revista Earth Science Reviews, embora o próprio Neil Armstrong já tenha dado algumas respostas quando pisou na Lua: “A superfície é fina e poeirenta. Posso levantá-lo com o pé. Adere em camadas finas como carvão em pó na sola e nas partes laterais das minhas botas. Afundo apenas uma fração de polegada, talvez um oitavo (1 polegada = 2,54 cm), mas posso ver as minhas pegadas e marcas nas partículas de areia fina.”

Similaridades iconológicas

Neste contexto, e embora o ambiente lunar seja muito diferente do da Terra devido à ausência de atmosfera, campo magnético, água, matéria orgânica e vida, os cientistas encontraram três analogias iconológicas entre o nosso planeta e o seu satélite.

  • Primeiro, pegadas na superfície da Lua estão sujeitas a taxas de sedimentação muito lentas, semelhantes às que ocorrem em leitos marinhos profundos ou em cavernas, entre outros ambientes terrestres.
  • Por outro lado, as propriedades físicas e mecânicas permitem comparar os processos que levam à formação de vestígios ou vestígios deixados pelos animais nos depósitos de cinzas vulcânicas com os que atuam no solo e no rególito lunar.
  • Finalmente, semelhanças culturais também foram identificadas entre pegadas humanas na Lua e aquelas deixadas por membros de expedições semelhantes da humanidade, como a primeira a chegar à Antártida e ao Pólo Norte.

Mas, para além dessas semelhanças, os investigadores perceberam que o estudo das pegadas humanas na superfície lunar abriu um campo que eles não imaginavam, relacionado à própria natureza do Homo sapiens:

“Seguindo uma linha de pensamento mais filosófica, são as pegadas e até todos os artefactos que deixamos na Lua parte da expressão do comportamento humano? ”, afirma Díaz Martínez.

Os autores relacionam esta questão com o conceito de fenótipo estendido proposto pelo etologista britânico Richard Dawkins, que argumenta que artefactos animais como termiteiras ou presas de castores também são expressões fenotípicas de genes no seu ambiente. Os traços e objetos deixados pelos astronautas na Lua também podem ser considerados um fenótipo estendido da nossa espécie, embora estejam localizados a 384.400 km de distância.

Património Mundial fora da Terra

Finalmente, procurando por analogias entre a viagem à Lua e outros marcos da humanidade, como a chegada aos pólos da Terra, os autores abordam no seu estudo se as zonas de pouso das missões Apollo deveriam ser patrimónios mundiais. O governo dos Estados Unidos aprovou recentemente uma lei (One Small Step to Protect Human Heritage in Space Act) para proteger os locais de pouso e artefactos deixados pela missão Apollo 11, exigindo futuras missões à Lua para respeitá-los.

“Este facto é relevante porque os Estados Unidos indiretamente 'possuem' esse património”, diz Díaz Martínez, que, junto com os restantes autores, deixa a questão em aberto, “embora, como aspeto inédito, tenhamos gerado um modelo fotogramétrico 3D do famosa pegada de Buzz Aldrin que poderia ser usada como forma de salvaguardar esse património ”.

Para isso, foram utilizadas três fotos históricas tiradas pelo próprio Aldrin. Além disso, o modelo pode ser descarregado gratuitamente e usado para reproduzir a pegada do astronauta como uma impressora 3D.

Embora alguns traços próximos ao módulo lunar tenham ficado apagados quando a nave espacial descolou, “a área onde Aldrin fotografou a sua pegada não estava muito perto, então acho que não foi apagada, embora não descarte que a poeira levantada durante a descolagem poderia cobrir um pouco”, especula o geólogo.

Talvez no futuro seja possível sobrevoar ou observar a cena de perto sem alterá-la para ver como estão os tecnofósseis e os tecnoterraços. Enquanto isso, em 2024, uma missão tripulada do programa Artemis está programada para alcançar a Lua novamente e, pela primeira vez, uma mulher colocará os pés na sua superfície.