tempo.pt

James Webb captura a imagem mais nítida dos anéis de Neptuno em décadas!

O Telescópio Espacial James Webb da NASA não só captou a imagem mais nítida dos anéis de Neptuno, em mais de 30 anos, como as suas câmaras revelaram mais pormenores acerca do gigante de gelo. Saiba mais aqui!

Telescópio Espacial James Webb
O Telescópio Espacial James Webb é o principal observatório da Ciência Espacial do mundo.

O mais impressionante na nova imagem captada por Webb é a visão nítida dos anéis de Neptuno - alguns dos quais não tinham sido detetados desde que a Voyager 2 da NASA se tornou a primeira nave espacial a observar Neptuno durante o seu voo em 1989. Para além de vários anéis brilhantes e estreitos, a imagem de Webb mostra claramente as faixas de pó mais ténues de Neptuno.

"Já passaram três décadas desde a última vez que vimos estes anéis ténues e poeirentos, e esta é a primeira vez que os vemos no infravermelho", observa Heidi Hammel, especialista nos sistemas de Neptuno e cientista interdisciplinar do Webb. A qualidade de imagem extremamente estável e precisa de Webb permite que estes anéis muito ténues sejam detetados tão perto de Neptuno.

Neptuno

Neptuno tem fascinado os investigadores desde a sua descoberta em 1846. Localizado 30 vezes mais longe do Sol do que da Terra, Neptuno orbita na remota e escura região do Sistema Solar exterior. A essa distância extrema, o Sol é tão pequeno e ténues que o meio-dia em Neptuno é semelhante a um crepúsculo escuro na Terra.

Este planeta é caracterizado como um gigante do gelo, devido à composição química do seu interior. Em comparação com os gigantes do gás, Júpiter e Saturno, Neptuno é muito mais rico em elementos mais pesados do que o hidrogénio e o hélio. Isto é imediatamente visível na assinatura azul de Neptuno nas imagens do Telescópio Espacial Hubble em comprimentos de onda visíveis, causadas por pequenas quantidades de metano gasoso.

As imagens da Near Infrared Camera de Webb (NIRCam) são objetos na gama quase infravermelha de 0,6 a 5 mícrons, pelo que Neptuno não parece azul para Webb. De facto, o gás metano absorve tão fortemente a luz vermelha e infravermelha que o planeta é bastante escuro nestes comprimentos de onda próximos do infravermelho, exceto quando existem nuvens de alta altitude.

Tais nuvens de gelo metano são proeminentes como estrias e manchas brilhantes, que refletem a luz solar antes de serem absorvidas pelo gás metano. Imagens de outros observatórios, incluindo o Telescópio Espacial Hubble e o Observatório W.M. Keck, têm registado estas características de nuvens em rápida evolução ao longo dos anos.

Imagens captadas pelo Telescópio Espacial James Webb

Mais subtilmente, uma linha delgada de luminosidade em torno do equador do planeta poderia ser uma assinatura visual da circulação atmosférica global que alimenta os ventos e tempestades de Neptuno. A atmosfera desce e aquece no equador, e assim brilha mais em comprimentos de onda infravermelhos do que os gases mais frios circundantes.

anéis de Neptuno
Imagem dos anéis de Neptuno captada pelo Telescópio Espacial James Webb. Créditos: NASA, ESA, CSA, STScI.

A órbita de 164 anos de Neptuno significa que o seu pólo norte, no topo da imagem acima, está apenas fora de vista para os astrónomos, mas as imagens do Webb sugerem uma luminosidade intrigante nessa área. Um vórtice previamente conhecido no polo Sul é evidente na visão de Webb, mas pela primeira vez o Webb revelou uma faixa contínua de nuvens de alta latitude à sua volta.

[O telescópio espacial] James Webb continua a surpreender com as suas descobertas. Desta vez, deu-nos uma visão mais ampla e mais clara sobre Neptuno.

Webb irá resolver mistérios no nosso Sistema Solar, olhar para além de mundos distantes em torno de outras estrelas e sondar as misteriosas estruturas e origens do nosso Universo e o nosso lugar nele. Webb é um programa internacional liderado pela NASA com as suas parceiras, a ESA (Agência Espacial Europeia) e a Agência Espacial Canadiana.