Balcãs tremem: sismos abalam Albânia e Bósnia

Dois sismos de elevada magnitude e intensidade atingiram, esta terça-feira, a Albânia e a Bósnia-Herzegovina. Há registo de vítimas mortais e os prejuízos materiais são muito elevados. Confira tudo aqui!

João Tomás João Tomás 26 Nov. 2019 - 22:16 UTC
Destruição provocada pela força dos sismos.

Na última madrugada a terra tremeu na Albânia, com especial intensidade no Noroeste do país, provocando o pânico. Um sismo de intensidade 6,4 na Escala de Richter sacudiu as principais cidades albanesas, estando o epicentro localizado no Mar Adriático, a 34 quilómetros a Noroeste da capital do país, Tirana, e a uma profundidade de 10 quilómetros.

Estão já registadas 16 vítimas mortais e cerca de 600 feridos. A maioria das vítimas ficaram soterradas, devido ao desabamento das estruturas habitacionais. O facto deste evento ter ocorrido durante a madrugada também é um fator decisivo no número de vítimas. Para além da capital do país, as cidades mais afetadas pelo sismo foram Durres, Thumane, Kruja e Lezha.

As equipas de regaste, coordenadas pelas autoridades locais, já conseguiram retirar dos escombros 28 pessoas. No entanto, espera-se que estejam muitas mais entre os edifícios que ruíram parcialmente, mas que ameaçam o colapso total. Alguns especialistas, indicaram este terramoto como o pior registado nos últimos 30 anos naquela região. É seguramente um dos mais fortes registado nas últimas décadas, sendo o segundo tremor de terra na região em menos de dois meses.

Os efeitos, as réplicas e o sismo na Bósnia

O sismo registado durante a madrugada não foi um evento único, tendo sido registadas as habituais réplicas com magnitudes variáveis, entre os 4,8 e os 5,4 na Escala de Richter. Já durante a manhã de hoje, um sismo registado no país vizinho da Albânia, a Bósnia-Herzegovina, causou algum alarme junto da população sem haver no entanto, registo de vítimas ou de danos materiais significativos. O epicentro deste sismo localizou-se 75 quilómetros a Sudeste da capital bósnia, Sarajevo. Relatos locais apontam para um evento com uma duração relativamente elevada.

Os efeitos destes eventos sísmicos são numerosos e fatais. Nos chamados países dos Balcãs, onde a qualidade das construções é muitas vezes duvidosa, várias estruturas habitacionais colapsaram total ou parcialmente. O número de vítimas pode aumentar, pois os trabalhos de resgate continuam. A Comissão Europeia, bem como alguns países vizinhos (Itália, Grécia e Roménia) já se prontificaram a enviar equipas de busca e salvamento. Tanto a Albânia como a Bósnia situam-se numa área muito ativa em termos sísmicos, que afeta também países como a Itália e a Grécia.

Publicidade