Alpes: preocupação com a invasão de cactos em áreas que deveriam ter neve

No sul da Suíça, afirmam que as encostas das suas montanhosas, que deveriam estar cobertas de neve, estão a ser invadidas por uma espécie invasora: os cactos. E o crédito é do aquecimento global.

cactos, alterações climáticas, alpes
Há nove espécies invasoras e 4 delas são uma grande ameaça.

Os residentes da região de Valais, área de estâncias de esqui e de vinhedos, estão habituados a ver as encostas das suas montanhas cobertas de neve no inverno e pequenas flores brancas no verão. Mas à medida que o aquecimento global se intensifica, cada vez mais espécies invasoras estão a colonizar estas paisagens: os cactos.

Tal é a preocupação, que o governo local anunciou uma campanha para desenraizar estas plantas, dizendo: "Amante de climas secos e quentes, esta planta invasora e não nativa não é bem-vinda". E não admira, uma vez que segundo estimativas, os cactos Opuntia representam atualmente entre 23% e 30% da cobertura vegetal baixa na região do Valais.

De acordo com os relatórios, as espécies de cactos estão presentes no cantão suíço pelo menos desde o final do século XVIII, quando foram importados da América do Norte. Os ambientalistas acreditam que um clima mais quente nos Alpes permite um período vegetativo mais longo. Com a rápida diminuição da cobertura de neve, as espécies invasoras podem estar a obter as condições ideais para se propagarem.

são 9 as espécies de cactos observadas nas encostas destas montanhas, onde competem com a vegetação endémica, embora apenas 4 delas sejam consideradas como uma ameaça. "Quando se tem estes cactos, nada mais cresce", dizem as autoridades. "Cada bloco cobre o solo e impede que outras plantas cresçam".

Os ambientalistas reconhecem que impedir a proliferação desta planta invasora estará longe de ser fácil. Por enquanto, lançaram também uma campanha de sensibilização para informar e alertar os residentes e turistas sobre os perigos de pisar, cortar e plantar cactos, à medida que estes se recuperam e se espalham rapidamente após serem desenraizados.

Alterações climáticas

Nos Alpes, a neve é cada vez mais rara em baixas altitudes. Segundo o relatório, o número de dias de neve abaixo dos 800 metros de altitude na Suíça foi drasticamente reduzido para metade desde 1970. Hoje em dia, os Alpes têm menos um mês de neve do que nessa década.

"Estas espécies podem resistir a temperaturas de -10 °C ou -15 °C sem qualquer problema", diz Peter Oliver Baumgartner, professor de geologia especializado em botânica e autor do relatório. "Mas querem estar num lugar seco e não gostam de neve". Por conseguinte, a diminuição da cobertura de neve proporciona-lhes um ambiente fértil para prosperarem.

E o problema não está apenas na ausência de neve, a temperatura aumentou, em média, 2,4 °C desde a era pré-industrial. "Se observarmos os relatórios das alterações climáticas", diz Baumgartner, "as curvas de temperatura da Suíça são quase tão pronunciadas como as do Ártico".

Vídeos em Destaque