tempo.pt

Alimentos que são drogas e drogas em alimentos. O que é o CBD?

Existem substâncias nos alimentos que podem ser consideradas "drogas"? Dando um passo em frente, podemos procurar estas substâncias nalguns produtos que estão agora na moda: o que é o tão falado CDB? Continue a ler, esta notícia será viciante.

Óleo CBD
Os produtos alimentares com CBD não têm efeitos psicotrópicos (nem outros).

É verdade que com alguns alimentos ultraprocessados temos a sensação de que não podemos deixar de os comer, são viciantes. Neste caso não é por serem uma droga enquanto tal, mas porque o "bliss point" foi alcançado, aquela fórmula em que a quantidade certa de sal, açúcar, gordura e textura é alcançada para tocar o ponto "G" de... sabor. Produz uma saturação das papilas gustativas, conseguindo sensações que, infelizmente, não serão conseguidas com uma alface. Basta dar prioridade à alface e abandonar o ultraprocessado para que possa comer durante muitos mais anos.

Mas não são só estes produtos que são "viciantes". Pense no queijo, não pode deixar de o provar uma vez, e outra e outra. A responsável é a molécula casomorfina. Esta substância é gerada a partir da caseína, que é uma proteína que pode ser encontrada tanto no leite materno como no leite, e que é ligeiramente mais concentrada no queijo. Durante a digestão é decomposta numa substância semelhante à morfina, mas, obviamente, com um poder viciante muito mais baixo. Proporciona-nos uma sensação de bem-estar e prazer.

A morfina enquanto tal vem do ópio, do sumo de Papaver somnifferum, a papoila de ópio, um tipo de papoila. Existem registos históricos no Médio Oriente de há 3000 anos atrás onde foi utilizado como medicamento, tendo depois sido transferido para a Índia, China e Europa durante o século XVI. Não colocou quaisquer problemas de saúde até ao final do século XIX, quando começaram a consumi-lo de forma recreativa... e os seus derivados como medicamento estão a tornar-se um verdadeiro problema social em países como os EUA.

Sementes de papoila

Há algumas décadas, as sementes de papoila (Papaver roheas), primas do ópio, tornaram-se moda. Em princípio, estas substâncias, ou não estão presentes ou estão presentes a níveis muito baixos, mas podem chegar a elas através de partículas de pó durante a colheita. Por este motivo, a AESAN (Espanha) avaliou o risco em 2016 e concluiu que o risco é baixo, mas seria aconselhável que os produtores o rotulassem se houver incerteza, especialmente no caso de pessoas em risco, mulheres grávidas e crianças.

sementes papoila
Com um consumo elevado de sementes de papoila, pode testar positivo num controlo de opiáceos.

Atribuem-lhes propriedades, já sabe, os famosos superalimentos, mas estes possíveis nutrientes nem sequer estão na quantidade para fazer nada, e podemos obtê-los com qualquer alimento normal. Se quiser ser engraçado dando um pouco de cor à comida, bem, mas sem exagerar por causa do pequeno detalhe que pode testar positivo no controlo de opiáceos. Portanto, mais do que com moderação.

CBD em alimentos

Já deve ter visto uma loja especializada em produtos CDB com aquela folha de marijuana tão característica. Não é a marijuana que temos em mente. O cultivo de cânhamo para fins industriais para a obtenção de fibras ou sementes é autorizado, desde que a quantidade de THC (tetrahidrocanabinol) seja inferior a 0,2%, que é a substância psicoativa. Apenas fibras ou sementes, nada mais da planta é autorizado porque não foi provada a sua segurança para consumo.

Bolo de CBD
O CBD em alimentos... muitas palavras poucas ações.

Portanto, não vamos ficar todos "ahah, tem uma folha de marijuana no rótulo" porque basicamente o que fizeram foi confundir-nos. O composto ativo, que nos dizem ter supostos benefícios, é o canadibiol da CDB, que não tem efeitos psicotrópicos, mas a EFSA está suficientemente perturbada com este tema a ponto de o considerarem um risco emergente.

Mais drogas (reais) nos alimentos

Dir-vos-ei que há muito mais drogas nos alimentos, geralmente nas plantas, porque já sabem que, como não podem fugir dos seus predadores, usam alcaloides como defesa. Entre eles, o meimendro, a beladona, a mandrágora, também o peiote, que tem mescalina ou o fungo ergot, que causou sérios problemas quando o pão de centeio foi consumido, daí doenças como o Fogo de Santo António ou o drama das bruxas de Salém.

Isto está ultrapassado hoje em dia, mas por vezes cresce nalgumas plantações de cereais ou vegetais e pode contaminar os alimentos ou rações, razão pela qual os produtores têm de ter um controlo intenso.

Portanto, já sabe, por vezes as verdadeiras "drogas" estão onde menos se espera, mas por outro lado, podem tentar ter efeitos em bolachas... com mais açúcar do que o CDB. Depois, cabe a cada um escolher, mas já sabendo de antemão.