Primavera 2019: que tempo nos espera este ano?

As mais recentes previsões não trazem boas novas para setores como a agricultura. Não se espera primavera chuvosa que compense este inverno seco. Confira a previsão do tempo para os próximos meses!

Alfredo Graça Alfredo Graça 22 Mar. 2019 - 08:12 UTC
O IPMA projeta uma primavera mais quente que o habitual e valores de precipitação dentro da média.

As últimas previsões suportadas quer pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera, quer pelos principais modelos – o ECMWF e o GFS – não trazem boas notícias, os últimos três meses foram muitos quentes e secos e aparentemente, a Primavera não será muito melhor. O calor anormal fez-se notar sobretudo durante o dia, com a existência de temperaturas máximas pouco habituais nesta estação do ano.

Na verdade, os dados recolhidos quanto à amplitude térmica apontam para calor acima do normal ao meio-dia e para valores consideravelmente inferiores ao normal à noite, verificando-se muitas vezes acentuado arrefecimento noturno, com vários locais a registarem por vezes mínimas 0.5 ºC mais baixas que o normal.

Esta situação deveu-se à presença fortíssima e dominante do anticiclone, com altas pressões a influenciar o estado de tempo, causando a expansão contínua de vários dias secos e com ausência de precipitação, bem como temperaturas acima do normal. Também houve pouquíssimos períodos de chuvas ou aguaceiros. Este inverno foi dos mais secos do século XXI, e só não foi pior devido a algumas tempestades ocorridas em finais de janeiro, como a Helena. O resto dos dias foi paupérrimo no que toca à presença de precipitação. Não choveu nem metade do que costuma chover, o que tem contribuído para o agudizar da situação de seca que já começa a ser moderada e bastante preocupante para Portugal.

Previsão de temperaturas do modelo europeu para o próximo trimestre: mais quente que o normal em todo o continente.

Primavera mais quente que o normal e chuvas dentro da média

Após um inverno quente e seco, o IPMA não possui provas de que a Primavera vá reverter a situação de secura que se instalou numa larga porção do território continental. Em mais de metade do território, as temperaturas serão superiores à média das normais climatológicas. Na verdade, o IPMA aponta para anomalias positivas na temperatura média entre 0.2 ºC a 0.5 ºC, com uma probabilidade de 70 %, no período que remonta entre finais de março até meados de junho.

No que toca às precipitações, os mapas deixam o nosso país praticamente em branco, o que significa que os valores de precipitação provalmente estarão dentro da média. A situação de seca já atinge níveis bastante preocupantes, com 4,8% do território português em seca severa, 57,1% em seca moderada e por fim, 38,1% com seca fraca, de acordo com o índice PDSI. Números que trazem constrangimentos à produção agrícola e a atividades como a pecuária, e que mantendo esta tendência será difícil reverter a situação, até pela maior probabilidade de deflagração de incêndios.

O modelo ECMWF prevê um trimestre com temperaturas 0,5 ºC acima do normal. Quanto às chuvas, elas serão dentro da média, em termos gerais, sendo que provavelmente com maior abundância no Noroeste Minhoto, e parte do litoral Norte. As temperaturas serão elevadas e especialmente notórias na região Sul, em concreto no Baixo Alentejo e Algarve. Os principais modelos estão em concordância nas previsões elaboradas.

Publicidade