tempo.pt

O tempo vai mudar: depressão atlântica trará chuva, vento e frio!

Após alguns dias de ambiente quase estival, uma profunda depressão atlântica irá abrir caminho a uma massa de ar polar. Do calor passaremos num ápice à instabilidade generalizada a partir do próximo fim de semana. O que vai acontecer? Confira a previsão!

chuva, vento, tempestade atlântica
Da calma para a tempestade num ápice, a depressão atlântica trará instabilidade a partir do fim de semana.

De momento, a estabilidade meteorológica impera em Portugal continental, originando dias tranquilos, bastante soalheiros, apenas marcados por alguma nortada ocasional. Isto deve-se, em grande parte, à imposição de uma crista anticiclónica. Embora agora seja este o panorama, as tréguas da estabilidade terão curta duração. O maior destaque até dia 8, próximo sábado, prende-se com a progressiva subida das temperaturas máximas, especialmente no interior Centro e Sul, onde em algumas regiões se prevêem valores perto dos 30 ºC.

A coincidir com o fim de semana, uma depressão atingirá toda a Península Ibérica, originando precipitação e uma drástica e acentuada descida dos valores registados nos termómetros, de tal forma, que poderão surgir geadas a partir de então e ao longo dos dias seguintes. Isto será sobretudo percetível nas áreas montanhosas, (em especial no interior Norte e Centro –Trás-os-Montes e Alto Douro e também em partes do distrito da Guarda), obrigando-nos a resgatar os casacos de inverno do armário e, nos casos mais extremos, a recorrer aos sistemas de aquecimento da casa em pleno mês de maio. O vento forte que se fará sentir na mesma altura acentuará a sensação de frio.

Efeitos prováveis da depressão atlântica em Portugal continental

Ao mesmo tempo que dizemos adeus ao calor no sábado, a depressão que está a ser ‘cozinhada’ por estes dias no Atlântico Norte, agravará significativamente o estado do tempo em Portugal continental a partir de domingo. Tudo acontecerá num 'abrir e fechar de olhos'.

Com efeito, esta depressão, embora tenha o seu núcleo centrado no Atlântico Norte e por isso, bastante longe do nosso território, ‘largará’ uma frente muito ativa a si associada que provocará tempo adverso. Esperamos assim que a partir de domingo (9), a chuva se distribua por todas as regiões do nosso país.

A depressão atlântica trará chuva que chegará a todo o país, acompanhada de vento forte. De seguida, registar-se-á uma descida acentuada das temperaturas e nalguns sítios montanhosos do interior Norte e Centro poderão surgir geadas e até mesmo neve.

Depois da passagem desta depressão, que sofrerá um processo de ciclogénese explosiva (queda rápida dos valores de pressão no núcleo da tempestade), a instabilidade passará tão rápido quanto chegou, abrindo passagem à mencionada descida das temperaturas, mais notória a partir de segunda e terça-feira da próxima semana.

Entretanto, ainda durante o fim de semana, se o centro da tempestade se aproximar o suficiente da Península Ibérica, algo que agora parece improvável – embora não deva ser descartado – receberia o nome de Mathieu. Além disto, outro elemento a ter em conta é o vento. A tempestade gerará um aumento da intensidade do vento que soprará forte de Sul, por vezes de Oeste, e com mais força em geral, durante o dia de domingo, sendo mais notório nos distritos do litoral Norte - Viana do Castelo, Braga, Porto e Aveiro.

rajadas de vento;
Os tons de vermelho e laranja representam o aumento da intensidade das rajadas de vento na manhã de domingo, coincidindo com o momento mais ativo da frente associada à depressão atlântica.

E como será o arranque da próxima semana?

Na segunda-feira ainda ocorrerão alguns aguaceiros pós-frontais, um pouco por todo o território continental luso. Para além disso, sentiremos de forma notória o frio gerado pela chegada da massa de ar polar posterior à rápida passagem da perturbação frontal, bem como a presença moderada a forte do vento que nessa jornada já soprará de Noroeste. Ainda durante o dia de segunda, a queda de neve está prevista no ponto mais elevado de Portugal continental, como a Serra da Estrela, e em pontos do extremo Norte do país, como no Gerês.

Para terça-feira, prevê-se estabilização do tempo e mais oscilações térmicas, estimando-se subida das temperaturas máximas e descida das mínimas, o que se traduzirá numa enorme amplitude térmica diária e em acentuado arrefecimento noturno.