tempo.pt

Pequenas erupções vulcânicas causam mais danos que grandes erupções

As erupções vulcânicas de menor magnitude causam mais perturbações do que as maiores, dizem os investigadores, que acreditam que os efeitos dominó das pequenas erupções em partes chave do planeta não recebem atenção suficiente.

Hollywood-style volcanic eruptions less damaging than lower-magnitude eruptions
Aglomerados de pequenas mas ativas erupções vulcânicas podem causar mais danos do que as erupções únicas e grandes, dizem os investigadores de Cambridge.

Quanto maior for a erupção vulcânica, maior será o impacto na sociedade e no bem-estar humano, ou pelo menos é assim que são retratadas nos grandes ecrãs de Hollywood. No entanto, investigadores do University of Cambridge's Centre for the Study of Existential Risk (CSER) dizem que os aglomerados de pequenos vulcões ativos, dispostos ao lado de infra-estruturas vitais têm efeitos mais devastadores do que as erupções únicas e grandes. Podem mesmo paralisar o globo.

Liderados pela Dra. Lara Mani, os investigadores identificaram sete 'pontos de aperto' onde erupções relativamente pequenas poderiam ser catastróficas, incluindo grupos de vulcões em Taiwan, Norte de África, Atlântico Norte e noroeste dos Estados Unidos.

É tempo de mudar a forma como encaramos o risco vulcânico extremo. Temos de deixar de pensar em termos de erupções colossais que destroem o mundo, tal como retratado nos filmes de Hollywood.

"Mesmo uma pequena erupção numa das áreas que identificamos poderia irromper cinza suficiente ou gerar tremores suficientemente grandes para perturbar as redes que são centrais para as cadeias de abastecimento e sistemas financeiros globais", diz Mani.

"Neste momento, os cálculos estão demasiado inclinados para explosões gigantes ou cenários de pesadelo, quando os riscos mais prováveis provêm de eventos moderados que desativam as principais comunicações internacionais, redes comerciais ou centros de transporte. Isto aplica-se aos terramotos e às condições meteorológicas extremas, bem como às erupções vulcânicas".

Hollywood-style volcanic eruptions less damaging than lower-magnitude eruptions
Os gases e partículas de poeira lançados para a atmosfera arrefecem temporariamente o planeta por sombreamento da radiação solar recebida, um efeito que pode durar meses ou mesmo anos.

Pequenas erupções classificadas até 6 no índice de explosividade vulcânica podem produzir nuvens de cinzas, fluxos de lama e deslizamentos de terra que perturbam os cabos submarinos ou devastam as culturas, diz a investigação publicada na Nature Communications.

Um exemplo perfeito é a erupção do Eyjafjallajökull em 2010. A sua proximidade ao grande 'ponto de aperto' da Europa continental fez com que a erupção de magnitude 4 da erupção encerrasse o espaço aéreo europeu, causando grandes perturbações. Em comparação, uma erupção de magnitude 6 do Monte Pinatubo em 1991 causou menos danos, apesar de ser 100 vezes maior, porque estava localizado mais longe das infra-estruturas.

"É tempo de mudar a forma como encaramos o risco vulcânico extremo", diz Mani. "Temos de deixar de pensar em termos de erupções colossais que destroem o mundo, tal como retratado nos filmes de Hollywood. Os cenários mais prováveis envolvem erupções de menor magnitude interagindo com as nossas vulnerabilidades sociais e precipitando-nos para uma catástrofe".

Impacto ambiental

Quando o Eyjafjallajökull entrou em erupção, estima-se que 150.000 toneladas de CO2 foram libertadas diariamente, para além da enorme nuvem de cinzas que gerou. Isto parece catastrófico, mas a perturbação das viagens aéreas impediu, de facto, a entrada na atmosfera de 1.3-2.8 milhões de toneladas de CO2.

Além disso, os gases e partículas de poeira lançados para a atmosfera influenciam o clima, arrefecendo temporariamente o planeta através do sombreamento da radiação solar recebida; este efeito pode durar de meses a anos, dependendo da natureza da erupção.

A erupção de um vulcão pode ter efeitos de grande alcance, uma vez que o gás, as poeiras e as cinzas na atmosfera são transportados através de padrões de circulação atmosférica, o que significa que uma erupção nos trópicos pode afetar a vizinhança imediata, e o clima próximo em ambos os hemisférios.