tempo.pt

Novo modelo de previsão contribui para prevenção eficaz de tempestades

Uma investigação da Universidade de Newcastle deu lugar a um novo modelo que pode ajudar-nos a preparar e a mitigar os danos causados pelas tempestades antes destas ocorrerem. Saiba mais aqui!

tempestade; eventos extremos
O novo modelo de previsão é capaz de prever um evento extremo com 24 horas de antecedência.

Especialistas e engenheiros climáticos criaram um novo modelo para prever os danos causados pelas intempéries. Este novo quadro de "previsão de consequências" permite responder eficazmente antes de um evento climático extremo, tal como a tempestade Eunice.

O modelo de tomada de decisão pré-evento funciona desenvolvendo primeiro relações entre a velocidade do vento e as falhas na rede elétrica. Estas relações são então utilizadas para estimar falhas das redes elétricas e potenciais interrupções do cliente. Este modelo pode ser utilizado 24 horas antes de eventos meteorológicos extremos.

Publicados na revista Climate Risk Management, os resultados deste estudo podem permitir uma primeira resposta eficaz para gerir sistemas de infraestruturas atingidos por condições meteorológicas perigosas.

Ter as ferramentas de previsão para prever e preparar os danos causados pelas tempestades reduzirá as consequências sociais das condições meteorológicas extremas, incluindo a perda de energia para os clientes e multas para as empresas de distribuição elétrica.

O novo modelo de previsão

O estudo foi liderado pelo Dr. Sean Wilkinson da Escola de Engenharia da Universidade de Newcastle, e envolveu peritos do Met Office e da EPFL, Lausanne, Suíça. A equipa utilizou um modelo numérico meteorológico avançado para desenvolver o sistema de previsão.

O quadro apresentado no documento aplica-se a uma rede de distribuição de eletricidade ameaçada pela aproximação de tempestades de vento. Contudo, poderia igualmente ser aplicado a outros sistemas de infraestruturas ou elementos de construção, ou a qualquer tipo de evento meteorológico.

O Dr. Wilkinson afirmou que o seu modelo "tem o potencial de mudar a forma como gerimos os riscos climáticos e meteorológicos para as nossas redes de infraestruturas. Enquanto os operadores de redes elétricas já preparam recursos adicionais quando se aproxima uma tempestade, prever quantas linhas elétricas podem ser derrubadas, e onde é provável que estas estejam localizadas, permitir-lhes-á visar melhor os recursos necessários para reparar mais rapidamente quaisquer danos".

"É provável que isto se torne ainda mais importante no futuro, uma vez que se prevê que o nosso clima produza tempestades mais frequentes e mais intensas e algumas destas podem ir para além da experiência das pessoas encarregadas de lidar com elas", frisou.

Apesar deste modelo de previsão ser extremamente importante na atualidade, poderá ser ainda mais relevante no futuro, tendo em conta a previsão de que os eventos extremos serão cada vez mais frequentes e intensos.

A coautora do estudo, a Professora Hayley Fowler, acrescentou que "esta previsão de consequências é importante para o planeamento da resposta de emergência em tempestades de rápida evolução como a Tempestade Eunice. O nosso modelo poderia ser utilizado para atualizar regularmente as empresas de energia e outros operadores de infraestruturas sobre as potenciais consequências da aproximação de tempestades, uma vez que as previsões são atualizadas em tempo real".